Pinta Mundi Tinhas quer alcançar 40 lojas

A Pinta Mundi Tintas, rede franqueadora varejista do mercado de tintas, encerrou o ano de 2019 com 18 lojas e projeta chegar a marca de 40 unidades em 2020, entre próprias e franqueadas. Entre janeiro e fevereiro, a rede prepara mais quatro novas operações nos bairros paulistanos do Tatuapé, Vila Maria, Vila Mascote e no município de Mogi das Cruzes. Hoje a rede está presente no estado de São Paulo e em Santa Catarina.

Drogaria São Paulo abre duas unidades em SP

A Drogaria São Paulo inaugurou dois pontos de venda no estado de São Paulo, durante este mês. As novas lojas estão situadas na cidade de Bauru, interior do estado, e no bairro de Indianópolis, na Zona Sul da capital. A rede faz parte do Grupo DPSP que administra mais de 1.350 pontos de venda distribuídos por oito estados do Brasil. Em 2019, o grupo inaugurou 68 lojas.

Adilson Lucas é o novo líder da área de computação em nuvem e novo negócios da SND

A distribuidora SND contratou Adilson Lucas como o novo integrante de seu time de especialistas para a área de Cloud Computing. O executivo assume como Head of Cloud and New Business, tendo como desafios a gestão das estratégias para a nuvem, com a oferta de soluções multicloud; e a gestão de novos negócios, com foco no portfólio de soluções rumo à indústria 4.0.

O executivo acumula experiências vivenciadas em empresas como na Promon, na qual atuou na criação da Netstream até que a divisão foi vendida para a AT&T; ajudou a fundar a Optiglobe, atualmente parte da TIVIT; e trabalhou durante oito anos na Microsoft, liderando divisões de hosting e Cloud Computing. Também passou pela Cisco, e até o fim de 2019 atuou como consultor associado e fundador da Inneraction, consultoria especializada em gestão de negócios e desenvolvimento de pessoas.

Lucas é Bacharel em Ciências da Computação pela Universidade São Francisco, com MBA pela Fundação Dom Cabral e Mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) sobre autorrealização no trabalho. Atua no setor de tecnologia da informação desde 1992.

Jorge Faiçal é o novo presidente do Multivarejo

O Grupo Pão de Açúcar informou, em nota divulgada ao mercado na última terça-feira (14), a realização de uma série de mudanças administrativas visando acelerar os processos e ganhos de sinergia na América Latina.

Dentre as decisões adotadas pela companhia está a mudança de cargo de Jorge Faiçal, que deixa de ser responsável apenas pelas áreas comercial e digital do Multivarejo e passará a atuar como presidente do segmento. O multivarejo é a unidade de negócios do GPA que reúne as operações das bandeiras Pão de Açúcar e Extra, das lojas de proximidade Minuto Pão de Açúcar, Mini Extra, além de Pão de Açúcar Adega e das drogarias e postos de combustível, além dos sites de e-commerce das marcas.

O executivo terá o objetivo, segundo o Pão de Açúcar, de “fortalecer a performance operacional, acelerar a transformação digital e promover a contínua revisão e ajuste do portfólio, mirando em aumento de lucratividade e expansão de vendas”.

“Faiçal é experiente em todas as áreas relevantes do Multivarejo e, agora, como líder da unidade, será capaz de acelerar a melhoria de performance tirando proveito de estratégias digitais e de reposicionamento de portfólio, notadamente com relação à bandeira Extra nos hipermercados e supermercados”, afirmou Ronaldo Iabrudi, um dos vice-presidentes do conselho de administração do grupo.

Peter Paul Estermann permanecerá no cargo de CEO da companhia e terá responsabilidade pelas operações em toda a América Latina. Belmiro Gomes continuará como presidente do Assaí, atuando nas atividades de cash and carry.

“Essa organização permitirá uma aceleração dos ganhos de sinergia do grupo, aumentando a expectativa de ganhos econômicos com a integração das operações do Éxito”, concluiu Jean Charles Naouri, chairman e CEO do Grupo Casino.

Avanço do comércio online faz de Cajamar a ‘Faria Lima dos galpões’

A competição acirrada entre varejistas do comércio eletrônico tem aquecido o mercado de galpões logísticos e transformado o município de Cajamar, localizado a menos de 30 quilômetros de São Paulo, em uma espécie de “Faria Lima” dos galpões, em referência à área mais valorizada do País quando se fala em escritórios de alto padrão.

A briga pelo melhor espaço faz diferença na busca por uma entrega mais rápida das encomendas, exigência para crescer nesse setor em franca expansão. O comércio online de produtos cresce em ritmo acelerado no País. Em 2011, movimentava R$ 18,7 bilhões e girou quase o triplo – R$ 53,2 bilhões – em 2018, de acordo com dados da e-Bit-Nielsen.

A projeção da consultoria é de que em 2019 o setor tenha atingido R$ 61,2 bilhões, alta de 15%. Só entre a Black Friday e o Natal de 2019, o varejo digital vendeu R$ 14,1 bilhões, aponta a Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado.

Estudo da plataforma SiiLA Brasil mostra que Cajamar reúne 1,3 milhão de metros quadrados de galpões logísticos de alto padrão. No quarto trimestre de 2019, o preço pedido para locação era de R$ 21,87 por metro quadrado, o maior valor desde o segundo trimestre de 2016 – e montante 13% mais caro do que no mesmo período de 2018.

A maior procura, especialmente por parte de empresas do varejo, reduziu a taxa de galpões vagos. Apenas 7,1% da área disponível está desocupada. Enquanto isso, a vacância média dos 7,2 milhões de metros quadrados de galpões disponíveis no Estado de São Paulo é mais que o dobro, 17,47%, aponta o estudo.

Giancarlo Nicastro, CEO da SiiLA Brasil e responsável pela pesquisa, conta que no início desta década, havia apenas cerca de 200 mil metros quadrados de galpões em Cajamar. Por causa da localização estratégica, perto do Rodoanel e das Rodovias Anhanguera e Bandeirantes, a região atraiu o interesse de empresas internacionais na construção de galpões. “Como elas seguem um padrão construtivo elevado, isso atrai as varejistas que querem rapidez nas entregas”, observa.

Além da localização privilegiada do município, as empresas estão de olho em alguns diferenciais oferecidos por esses galpões. Pé direito alto e eficiência energética, por exemplo, dão mais agilidade para o desembaraço de mercadorias e reduzem custos, diz Nicastro.

Hoje, mais da metade da área dos galpões logísticos de Cajamar é ocupada por empresas do varejo físico e online, 33% e 24%, respectivamente. Do varejo físico, os atacadistas Assaí e Makro e a revenda de materiais de construção Leroy Merlin têm centros de distribuição na região. Do varejo online, a B2W, líder do e-commerce, o Mercado Livre, e a Amazon, com três centros de distribuição, estão instaladas em Cajamar.

O fundo americano de investimento GTIS e a incorporadora Etoile, por exemplo, estão concluindo 153 mil metros quadrados de galpões em Cajamar, que serão destinados à locação. O grupo que possui áreas de galpões no município de Embu das Artes, também na região metropolitana de São Paulo, foi atraído para empreender em Cajamar por causa da localização da cidade, com fácil acesso para o interior e a capital paulista.

Häagen-Dazs investe em ilhas personalizadas em rede de supermercados

Com a chegada do verão, a marca de sorvetes Häagen-Dazs, instala dez ilhas personalizadas do produto em unidades da rede de supermercados Pão de Açúcar, localizadas em pontos na cidade de São Paulo e no Rio de Janeiro que ficarão ativadas até março de 2020.

Transferência de lojas do Carrefour para Super Nosso recebe aval do Cade

O Carrefour Brasil recebeu aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para um acordo que transfere a administração de 17 supermercados na Região Metropolitana de Belo Horizonte para a rede mineira Super Nosso, de acordo com decisão publicada do Diário Oficial da União de ontem.

A varejista converterá 17 supermercados da bandeira Carrefour Bairro para a marca Super Nosso dentro de um ano, informou a companhia em comunicado divulgado em outubro de 2018.

Conforme o Super Nosso, em outubro, com essa parceria a rede mineira quase dobra o número de unidades do supermercado gourmet e deve aumentar em 30% a produção de sua indústria.

Na prática, as lojas do Carrefour Bairro se tornam operações do Super Nosso por um período de, no mínimo, cinco anos. O consumidor final encontrará tudo o que já é oferecido na rede mineira: o mix completo, o açougue com carnes nobres, a padaria e, inclusive, os serviços, como comida japonesa, sommelier e clube de pontos.

Para o Carrefour, a vantagem da parceria está no resultado que as 17 lojas passarão a ter, uma vez que o faturamento continuará sendo da rede francesa. De acordo com o CEO do grupo mineiro, Euler Nejm, em entrevista na ocasião do anúncio da parceria, uma unidade do Super Nosso vende mais que o dobro por metro quadrado do que uma loja do Carrefour Bairro e, por isso, a operação é mais vantajosa do que o modelo da rede francesa.

Já o Grupo Super Nosso lucrará com uma porcentagem em cima do desempenho das 17 lojas e, principalmente, com o crescimento da produção de sua indústria, que passará a abastecer essas operações.