Operadoras começam a ativar 5G em Curitiba, Goiânia e Salvador

São Paulo (SP) – A partir de hoje, 16, as operadoras móveis já podem começar a ativar o 5G na faixa de 3,5 GHz em Curitiba (PR), Goiânia (GO) e Salvador (BA). A liberação foi dada pelo Grupo de Acompanhamento da Implantação das Soluções para os Problemas de Interferência na faixa de 3.625 a 3.700 MHz (Gaispi) e TIM, Claro e Vivo já ativaram a tecnologia em partes das cidades.

O 5G na faixa de 3,5 GHz garante o melhor uso da tecnologia, não só com maior velocidade, mas menor latência e mais números de dispositivos conectados na mesma infraestrutura. Cinco cidades já contavam com a tecnologia antes de hoje: Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), João Pessoa (PB), Porto Alegre (RS) e São Paulo (SP).
Curitiba

Em Curitiba, a TIM diz ter ativado a cobertura do 5G em todos os bairros da cidade, se aproveitando de um projeto piloto de cidade inteligente que realiza no município.

Já a Vivo está oferecendo a rede 5G nos bairros: Água Verde, Alto da Glória, Alto da rua XV, Batel, Bigorrilho, Centro, Centro Cívico, Cristo Rei, Jardim Botânico, Portão, Prado Velho, Rebouças, São Francisco, Vila Izabel.

A Claro ativou sua rede em apenas seis bairros da capital paranaense: Água Verde, Batel, Bigorrilho, Centro, Jardim Botânico e Portão.
Salvador

Na capital baiana, a TIM afirma que já atende 77 bairros com o 5G, com duas vezes mais antenas que o mínimo exigido pelas normas do Leilão 5G. Entre os bairros, estão: Brotas, Pituba, Rio Vermelho, Stiep, Parque Bela Vista, Armação, Barra, Caminho das Árvores, Costa Azul, Federação, Engenho Velho da Federação, Jardim Placaford, Matatu, Nazaré, Santa Teresa, Patamares, São Marcos, Amaralina e Barbalho.

A Vivo também ativou sua rede em diversos bairros de Salvador: Amaralina, Cabula, Caminho das Árvores, Candeal, Canela, Costa Azul, Garcia, Graça, Horto Florestal, Iguatemi, Itaigara, Ondina, Parque Bela Vista, Pituba, Rio Vermelho e Santa Cruz.

Os bairros que a Claro vai atender na cidade são: Barra, Caminho das Árvores, Campo Grande, Candeal, Canela, Chame-Chame, Federação, Graça, Horto Florestal, Itaigara, Jardim Apipema, Ondina, Parque Bela Vista, Pituba e Politeama.
Goiânia

A TIM já está atendendo 130 bairros de Goiânia com o 5G, com destaque para: Setor Bueno, Setor Bela Vista, Setor Central, Setor Sudoeste, Jardim São Judas Tadeu, Jardim Goiás, Setor Oeste, Jardim América, Residencial Eldorado, Setor Leste Vila Nova, Setor Pedro Ludovico, Setor Sul, Vila Viana, Vila Maria Jose e Serrinha.

A Vivo ativou nos seguintes bairros: Jardim América, Setor Aeroporto, Setor Bela Vista, Setor Bueno, Setor Central, Setor dos Afonsos, Setor Leste Universitário, Setor Leste Vila Nova, Setor Marista, Setor Nova Suíça, Setor Oeste, Setor Pedro Ludovico, Setor Sul e Vila Jaraguá.

A Claro também lançou a rede 5G na cidade nos bairros: Setor Sul, Jardim Goiás, Bueno, Nova Vila, Pedro Ludovico, Setor Oeste, Bela Vista, Marista, Residencial Recanto dos Buritis, Nova Suíça e Setor Sudoeste.

Padaria Pet leva confeitaria para cães a Pet South America

São Paulo (SP) – Entre os dias 17 e 19 de agosto, a Padaria Pet, rede especializada em petiscos gourmets para cães e gatos, traz para a Pet South America, a mais importante feira pet voltada para negócios da América latina, novidades para o setor: a confeitaria para os bichinhos, um novo modelo de negócio e a inédita parceria com a marca Sanrio, detentora da personagem Hello Kitty.

A rede, que atualmente conta com mais de 33 lojas espalhadas pelo Brasil, pretende abrir 80 unidades até o fim de 2023, além de atingir 150 unidades no país até 2024. Uma das novidades para a feira será a confeitaria para pets, que chega como oportunidade para a própria rede ou mesmo como opção de investimento para outros negócios pet friendly, que desejam trazer diferenciais para seus clientes.

Bolos, docinhos, como beijinho e brigadeiro, cupcake, brownies, donuts, colomba pascal, maçã do amor, e doce de abóbora estão entre os destaques presentes nos três dias do evento.

“Estar na maior feira do setor pet da América Latina representa um grande avanço no propósito de aumentarmos nossas unidades espalhadas pelo Brasil e oferecer a estrutura de confeitaria para outros negócios. Neste ano, contamos com três grandes novidades que estão alinhadas a esse propósito: a confeitaria, o novo modelo de franquia no formato de contêiner, e a parceria com a Sanrio, detentora da marca Hello Kitty, com a finalidade de criarmos produtos licenciados” explica Arquelau So, CEO da Padaria Pet.

Um leite especial para gatos com sabor frango e um bolo de aniversário da Hello Kitty são os dois destaques da Pet South América. A Padaria Pet, que já conta com mais de 130 produtos especializados para pets, sendo grande parte deles sem conservantes e aromatizantes artificiais, acaba de lançar dois novos produtos em parceria com a Sanrio.

A linha de produtos estará em unidades próprias, franqueadas da rede e petshops até Outubro. Além dos novos itens no portfólio da rede, a união com a marca japonesa renderá outros novos produtos, que devem ser apresentados em breve.

A Padaria Pet já possui outros produtos favoritos dos AUmigos e AmiCats, que são diferenciados como, pipoca, bolo de aniversário, bolo de caneca, sorvete, gelatina, e são marcas próprias da rede.

Novo modelo

Segundo o Instituto Pet Brasil (IPB), o setor pet deve apresentar crescimento de 14% no valor consolidado em 2022, atingindo a cifra de quase R$ 60 bilhões, valor superior aos R$ 51,7 bilhões alcançados no ano passado.

De olho na perspectiva positiva que o setor apresenta no futuro próximo, a Padaria Pet também leva para a Pet South America o modelo contêiner, que possibilitará aos franqueados ter toda estrutura fornecida pela Padaria Pet, com banho, tosa, confeitaria e bolos de aniversário pet por meio de um investimento acessível para os novos investidores.

Com investimento inicial aproximado de R$ 85 mil, o modelo é ideal para cidades verticalizadas, e possui a praticidade de poder ser instalada em diversos locais, sem a necessidade de um endereço fixo, como parques, condomínios e espaços de lazer.

A Pet South America completa 20 anos em 2022. Na edição anterior, mais de 21 mil visitantes estiveram nos três dias de evento, com mais de 400 marcas participantes e 38 horas de conteúdo.

Liber Capital anuncia fusão com Bava e tem novo CEO

Liber Capital

São Paulo (SP) – As provedoras de soluções de pagamento e financiamento B2B Liber Capital, com operação historicamente centrada no segmento enterprise, e Bava, anunciam a fusão integral de suas operações, nascendo assim a nova Liber. A fusão, que tem início a partir do dia 16 de agosto, será liderada pelo executivo Marcelo Serfaty que assume como CEO. Serfaty possui longa experiência no mercado financeiro, é ex-sócio-controlador do Banco Pactual, sócio da G5 Venture Capital e, recentemente, deixou a presidência do Conselho de Administração do BNDES.

Com investidores de peso, como G5 Partners e HDI Seguros e parceiros estratégicos como MC1, a Liber Capital incorpora o Bava e também a conciliadora Evencard. A fusão, que vinha sendo planejada há meses, tem como objetivo a amplificação de negócios de pagamentos e financiamento para todo o ecossistema que integra indústrias, distribuidores e grandes varejos a fornecedores e pontos de venda. Com sinergias em áreas como distribuição e TI, a meta é também trazer soluções de ponta a ponta para melhor performance de programas de antecipação de recebíveis no modelo marketplace, conectando fornecedores e clientes de grandes empresas a redes de financiadores, desburocratizando assim o acesso ao crédito.

O movimento prevê a construção de um portal incorporando os serviços da Bava e da Evencard, com o objetivo de trazer soluções com foco no financiamento de toda a cadeias produtivas (Supply Chain Financing).

Números

A empresa já nasce com números superlativos. Com parcerias com mais de 7500 clientes, a Liber espera movimentar mais de R$ 30 bilhões em 2022, por meio de uma rede de financiadores que já conta com 15 bancos, 70 fundos e 1500 investidores individuais. A fusão também vai unir os times das três empresas, totalizando mais de 200 colaboradores. Já dentro de seu quadro de clientes, a Liber já possui 50 grandes corporações, entre elas, indústrias e distribuidores do setor automotivo, celulose, agro, têxtil e varejo.

“Nossa convicção no plano de negócios é máxima. O projeto Liber traz ingredientes como tecnologia de ponta, liderança com extenso know-how no segmento financeiro e escopo sem igual. Somos o único player one-stop-shop do mercado para grandes empresas, entregando soluções para toda a cadeia produtiva, de fornecedores a clientes, em qualquer setor da economia”, destaca Serfaty. “E excelência na entrega é uma obsessão. Internamente nossa ambição é nada menos do que estabelecer a Liber como sinônimo da categoria. Ou como ouvimos frequentemente de nossos clientes: a de dar ainda mais amplitude à ‘mística’ Liber”, completa.

Além de Serfaty, a Liber conta com Hélio Magalhães como chairman; com César Pinela, Vagner Guzella, Renato Klarnet, Marcus Schalldach e Marcos Póvoa como conselheiros; com os sócios-fundadores Leonardo Ribeiro, Victor Stabile e Leandro Sanabio; e anuncia agora a chegada de Márcio Parizotto, ex-American Express e Bradesco, que se junta ao projeto como sócio e membro do Comitê Executivo, com missões estratégicas como o desenho e implantação de estrutura de negócios baseada em dados, além da construção de roadmap evolutivo junto ao mercado. “Acreditamos que talento humano, cultura de partnership e tecnologia de ponta são uma combinação infalível para qualquer negócio”, conclui Marcelo Serfaty.

Fintech Turn2C quer mudar percepção dos brasileiros sobre consórcios

São Paulo (SP) – A Turn2C Consórcio Inteligente é uma solução de inteligência artificial (IA) para o mercado de consórcio. Com foco na necessidade de compra do cliente e o propósito de transformar o setor por meio da tecnologia, a fintech desenvolveu uma solução capaz de entregar o produto ideal para que o cliente tenha sucesso no seu objetivo de compra de um bem, como carro, casa, motos ou serviços, como viagens ou cirurgias, utilizando a tecnologia de dados. Para isso, a fintech desenvolveu uma solução que hoje tem 97% de acuracidade em seus modelos de previsibilidade.

De acordo com Bruno Pinheiro, CEO da Turn2C, o Consórcio Inteligente da Turn2C é uma nova opção financeira que possibilita aos clientes maior assertividade na aquisição de bens ou serviços no tradicional mercado de consórcio. “Queremos fazer desta modalidade o meio para realizar o desejo de compra do consumidor. Para isso, criamos uma tecnologia capaz de apontar o produto ideal para cada perfil de cliente, de modo individualizado mas ao mesmo tempo escalável. Neste cenário, a IA ganha protagonismo tirando a incerteza quanto ao custo e o prazo, bem como solucionando o principal gargalo da modalidade que é a questão do tempo”, destaca. De acordo com os dados da empresa, o Consórcio Inteligente reduz em até 90% o número de contratos cancelados em 12 meses de carteira.

O executivo aponta que a fintech nasceu com o propósito de transformar o setor de consórcios que hoje é ofertado para o cliente de forma massificada sem levar em conta os interesses individuais de cada cliente. Hoje, por meio da tecnologia, é possível oferecer um serviço financeiro inteligente e personalizado que vai ao encontro do objetivo do consumidor, seja ele a aquisição de bens ou serviços. A plataforma, que utiliza a inteligência artificial de maneira inovadora e pioneira, possibilita que Agentes da Turn2C, como são chamadas as empresas que usam a solução da fintech para oferecer o Consórcio Inteligente aos seus clientes, proporcionem a melhor operação de consórcio, levando em consideração custos, prazos e tempo.

“Buscamos mudar a percepção do grande público em relação à modalidade de consórcio, bem como impulsionar a transformação tecnológica deste mercado por meio de uma solução intuitiva, eficiente e, o mais importante, focada no cliente e em seu objetivo final”, destaca. A ferramenta hoje é capaz de consultar 16 administradoras e definir o melhor produto de acordo com o perfil e desejo de compra do cliente. Para isso, a fintech analisa mais de 76% de todos os produtos de consórcios do mercado aberto.

Com sede no estado de São Paulo e presente em todo Brasil, a Turn2C já soma cerca de 1,5 mil Agentes. Recentemente, a empresa recebeu aporte de R$ 8,5 milhões em rodada seed liderada pelo fundo Honey Island by 4UM e pela B3 – Brasil, Bolsa, Balcão. Com o investimento, a empresa buscará ampliar sua atuação e lançar produtos e serviços que resolvem dores do cliente e do vendedor do mercado. A fintech conta também com os investidores-anjo Fabio Leme e Urca Angels.

Fundada em 2021 por Bruno Pinheiro, Thiago Almeida e Tatiana Anderson, a ideia surgiu a partir do incômodo em relação a percepção do mercado sobre o consórcio, bem como as oportunidades que o segmento poderia oferecer, desde a compra de produtos e serviços a possibilidade de renda extra para os Agentes especialistas, que são os que já vendem o consórcio tradicional, e os Agentes não especialistas, que vendem outros produtos ou serviços financeiros como investimento, seguro, câmbio, adquirência, crédito e outros. Aos interessados em se tornar um Agente Turn2C, basta cadastrar-se no site da empresa. Após análise, se aprovado é liberado acesso à plataforma via login e senha.

Nortel entra no agro com solução para suplementação luminosa

Campinas (SP) – Com 50 anos de mercado no segmento de distribuição de materiais elétricos, a Nortel anuncia durante a Feira Internacional da Irrigação Brasil (FIIB), realizada entre os dias 16 e 18 de agosto, em Campinas (SP), uma solução de suplementação luminosa para agricultura extensiva. Considerando todas as etapas de desenvolvimento, incluindo testes, estruturação da área de negócios e implementação do primeiro estoque, estima-se que o projeto deva movimentar investimentos em torno de R$ 10 milhões.

O projeto foi desenvolvido em parceria com a Signify (Philips), Esalq/USP e Agropecuária Jacarezinho para garantir a confiabilidade e perfomance dos equipamentos utilizados, obter evidências científicas que chancelam a solução e validar os resultados da aplicação com o próprio produtor rural. A entrada da marca no universo do agro faz parte dos objetivos do Grupo Sonepar, líder global na distribuição de materiais elétricos, que faturou 26,4 bilhões de euros em 2021.

O pré-lançamento da solução de suplementação por luz marca a entrada da Nortel no agronegócio, um mercado em expansão que até 2030 deverá representar mais de 40% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Foram dois anos de desenvolvimento da tecnologia de suplementação luminosa nos cultivos de milho e soja – as duas maiores culturas extensivas no Brasil – e, em ambos os casos, os resultados apurados ficaram entre 25% a 35% de ganho de produção.

Além desse incremento, o agricultor poderá reduzir o uso de outros insumos por unidade de produção, contribuindo para uma agricultura mais sustentável assim como para o meio ambiente, uma vez que a mesma área utilizada para o plantio será melhor aproveitada, evitando a necessidade de ampliar a extensão de terra plantada.

Criação da tecnologia

Segundo informações do CEO da Nortel Marcos Rocha, há três anos, a companhia identificou a oportunidade de usar a sua expertise no mercado de materiais elétricos, automação e iluminação para investir no setor do agronegócio. Rocha comenta que, com o setor, as conversas iniciais foram com startups de inovação, clientes potenciais e fabricantes internacionais que já possuem experiência com suplementação luminosa, porém em aplicações indoor.

“Chegamos ao consenso de que seria interessante essa aplicação na cultura extensiva. Pensamos em criar um “segundo andar” das propriedades rurais no país. Ao trazer essa questão aos nossos parceiros, a Signify (Philips) demonstrou interesse em avançar no desenvolvimento. Para iniciarmos os estudos, também buscamos parceiros científicos”, explica.

Desta forma, o projeto ganhou força com um dos principais nomes envolvidos na aplicação de luz para suplementação de plantas no Brasil, a pesquisadora Simone Mello, da Esalq/USP.

“A pesquisadora, juntamente com a FEALQ (Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz), demonstrou interesse em participar do desenvolvimento e iniciamos o projeto, unindo nosso grande expertise em projetos complexos de iluminação com um dos mais renomados centros de pesquisa agrícola, além de uma das maiores autoridades mundiais em produção de luminárias para uso geral ou cientifico, a Signify (Philips)”, completa Ednei Kupper, Diretor-Comercial da Nortel e líder da nova unidade de negócios da companhia.

O diretor reforça que a Signify (Philips), há anos, possui estudos no seu Centro de Desenvolvimento e Inovação na Holanda para aplicação em diferentes culturas do agronegócio, inclusive voltados ao bem-estar animal. A Signify e a Sonepar são parceiros globais, sendo o grupo o maior distribuidor da marca. Além de ser um grande parceiro mundial da Sonepar, o grupo também é o maior comprador de lâmpadas e luminárias do mundo e o principal cliente da Philips nessa categoria em escala global.

No projeto da iluminação artificial, que será instalada em pivôs de irrigação, as luminárias da Philips contam com potência de 590 a 630W, tensão de 277-400V, vida útil de 36 mil horas e fluxo de fótons de até 2650 μmol. Entre os diferenciais da solução da Nortel está o projeto robusto, resistente a intempéries, com componentes especiais para suportar a alta temperatura, ao tempo e a oscilações de eletricidade.

Resultados

Os experimentos com a tecnologia de suplementação por luz instalada em pivô de irrigação foram feitos na Fazenda Bonança, de propriedade da Marfrig, no interior de São Paulo, e com resultados efetivos já confirmados para os cultivos de milho e soja. Pelos experimentos científicos aplicados, qualquer plantio extensivo irrigado de grãos está sujeito aos benefícios da tecnologia.

Além dos cientistas e profissionais das instituições, os resultados foram acompanhados pelo produtor rural que coparticipou da solução. As análises foram validadas não apenas pelo viés do ganho quantitativo, mas também mantendo os aspectos qualitativos da planta, como os nutrientes.

A tecnologia desenvolvida parte do princípio de que o produtor tenha o pivô para irrigação. Para as áreas que já possuem o pivô é necessária uma adequação na infraestrutura elétrica. “A adaptação do pivô é parte da solução integrada que a Nortel disponibiliza ao mercado. Com o amplo know-how consolidado ao longo dos 50 anos de atuação no setor elétrico, a marca possui total condição de prestar qualquer serviço e adaptação necessária para que isso ocorra”, esclarece Kupper.

Lellolab lança 3ª chamada de aceleração de ideias inovadoras

São Paulo (SP) – O LelloLab, o laboratório de inovação da vida em comum criado pela Lello, acaba de lançar a terceira chamada da sua aceleradora de projetos e ideias inovadoras. A iniciativa vai impulsionar empreendedores, pesquisadores e startups por meio de mentorias, aproximação com investidores e a oportunidade de implementar os projetos no ecossistema de mais de três mil condomínios e milhares de imóveis administrados pela Lello.

Nas duas primeiras edições do programa, foram mais de 200 projetos inscritos, o Lellolab selecionou e acelerou 24 deles durante um período de 3 a 6 meses em cada processo.80% dos participantes destas duas rodadas, realizadas no e no segundo semestre de 2021 e primeiro semestre de 2022, tiveram suas soluções implementadas no ecossistema do Grupo Lello, tanto nos condomínios e nos imóveis, como na própria empresa.

Os projetos que já foram acelerados até o momento pelo Lellolab são: Alpop,Green Mining, Loa Terra, Coletando, Du Local, E-unidos, O Expresso, Piipee, Tupinambá, Muni, GOMA, Morada da Floresta, Sampapé, Co-Criança, Nouvem, Sunergia, Visitown, Carbono Zero, Facilitat, FlatMatch, Actum, UseCar e Assistência Maria.

“Ficamos muito contentes em dar continuidade a esse projeto da aceleradora. Já estamos dando início a nossa 3ª rodada de aceleração em um período de um ano. Esperamos encontrar projetos tão legais quanto os que trabalhamos nas edições anteriores. Queremos dar novas oportunidades a todas e todos todos aqueles com boas ideias inovadoras e com foco na melhoria da vida em comum, aprimorando o processo que já conta com mais de 70 mentores e mantendo o alto nível de implementação das soluções”, diz Filipe Cassapo, diretor do Lellolab.

“O Alpop teve a honra de participar da primeira turma do programa de aceleração conduzido pelo LelloLab. Todo o programa foi muito bem estruturado, aglutinando a dimensão empresarial com a dimensão responsabilidade social, sempre tratadas com a profundidade necessária para tratar tatear problemas com tamanha complexidade. Outra coisa que chamou a atenção foi o comprometimento da Lello com o programa, que, no caso da Alpop, permitiu o aprimoramento da nossa solução, participando ativamente das nossas reflexões.” diz Caio Belazzi, CEO da Alpop, startup acelerada pelo Lellolab na 1ª chamada.

Com a participação nesse processo do Lellolab algumas startups tiveram a oportunidade de crescerem e aprimorarem-se. A Alpop, por exemplo, foi uma startup que recebeu investimento financeiro. Além disso, a Loa Terra se tornou a principal parceira da Lello na implantação de hortas urbanas.

O processo de inscrição é simples, sem burocracia, e aberto a todos, independente da maturidade da sua ideia. Interessados podem se inscrever no site do Lellolab até 23 de agosto.

Reckitt Hygiene Comercial lança aceleradora para investir em Negócios de Impacto Social

São Paulo (SP) – A Reckitt Hygiene Comercial, por meio de Harpic, acaba de lançar a “Aceleradora de Impacto Reckitt”, um programa de aceleração, desenvolvido em parceria com a Yunus Negócios Sociais, que está em busca de negócios de impacto social que atuem no enfrentamento de alguns dos principais problemas do mundo, além de lutar por uma sociedade mais justa. O programa de aceleração quer encontrar e fomentar negócios que tragam inovações e soluções para os principais desafios de acesso à água, saneamento e higiene adequados no Brasil.

Segundo o Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos de 2021, mais de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo vivem em países em situação de estresse hídrico, ou seja, convivem diariamente com escassez de água, e apenas 45% da população mundial usa serviços de saneamento gerenciados de forma segura.

No Brasil, segundo informações do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, 35 milhões de pessoas não possuíam acesso à água tratada em 2020. A situação é ainda mais grave em regiões afastadas dos grandes centros urbanos ou em grandes metrópoles: 65% da população que não possui acesso à água tratada vive em áreas rurais, e apenas 29 das 100 maiores cidades brasileiras atendem 100% de sua população com água potável, segundo o Instituto Trata Brasil em 2021.

A “Aceleradora de Impacto Reckitt” está buscando até 6 (seis) negócios que tragam inovações e soluções para endereçar os seguintes desafios:

Melhorias para maior e melhor acesso dentro do modelo atual; 
Inovação e descentralização para criar um modelo melhor para o futuro; 
Ativação para mudança de comportamento e envolvimento da comunidade. 

Os negócios sociais selecionados terão acesso a mentorias especializadas, facilitadas pela Yunus Negócios Sociais, com o objetivo de formar empreendedores e lideranças focados em impacto. Além disso, receberão mentorias de colaboradores voluntários da Reckitt Hygiene Comercial, que compartilharão seus conhecimentos e experiências em diversas áreas. Após a conclusão do programa, ainda haverá um repasse de recurso financeiro no total de 50 (cinquenta) mil libras (aproximadamente R?300 mil), que será dividido entre os negócios selecionados que participem até o final do Programa, a fim de apoiar a implementação das estratégias e ações para o alcance das metas.

“Na Reckitt Hygiene Comercial acreditamos que o acesso à higiene, saúde e nutrição de qualidade é um direito, e não um privilégio. Por isso que, por meio da marca Harpic, estamos lançando a “Aceleradora de Impacto Reckitt”, um programa de aceleração que está em busca de negócios de impacto social que atuem no enfrentamento de alguns dos principais problemas do mundo, além de lutar por uma sociedade mais justa”, diz Lívia Berrocal, Gerente de Propósito da Reckitt Hygiene Comercial.

O programa está em busca de negócios que priorizam públicos que possuam escassez de acesso à água, saneamento e higiene adequados, como foco em:

Mulheres e meninas, principalmente devido a pobreza menstrual 
População que vive em áreas remotas e rurais 
População em alta vulnerabilidade social 

Para se inscrever:

As inscrições ficam abertas até o dia 15 de agosto. Em setembro serão indicados até 6 (seis) negócios selecionados para o Programa “Aceleradora de Impacto Reckitt”.

Guarulhos (SP) ganha fábrica de startups dentro do ENIAC

Guarulhos (SP) – O Centro de Inovação Tecnológica Innovation de Guarulhos (CITIG), no ENIAC, inaugurou, na última sexta-feira, 12/08, a primeira fábrica de startups da região, a StartGRU. A abertura do espaço aconteceu durante a reunião do Conselho Empresarial de Guarulhos e Região (CEGRU).

O mantenedor do ENIAC, professor Ruy Guérios, comemorou a chegada do que chamou de “motor de arranque” da nova economia. “Com a inauguração da StartGRU nós completamos um ciclo de criação de todo um ecossistema de inovação, que começou com a concepção do CEGRU, nos aproximando do mercado de trabalho, continuou com o desenvolvimento do nosso HUB de Inovação e a parceria com a ACATE, e, agora, a fábrica de startups vai acelerar a chegada de novas empresas inovadoras”, afirmou.

A StartGRU será gerida por Dennis Nakamura, que coleciona participações significativas em aceleradoras de startups e, também, em ações efetivas em unicórnios como o iFood. Nakamura explicou que a fábrica de startups dentro do ENIAC funcionará auxiliando empreendedores que já têm projetos e conferindo soluções para quem quer começar uma startup do zero.

“A abertura durante o encontro do CEGRU é providencial, já que essa fábrica terá oportunidades tanto para empreendedores quanto para potenciais investidores”, disse. As startups são empresas disruptivas que têm ganhado força em diversos segmentos da economia brasileira. Elas surgiram para apresentar novos conceitos, muitas vezes regados de muita tecnologia, e desafiar modelos já existentes.

Passando pelo processo de aceleração da StartGRU, a chance de uma startup ter sucesso aumenta significativamente. “Apenas 6% das empresas que começam sem uma fábrica na retaguarda têm sucesso, e só 1% chega a ser um unicórnio. Por meio da nossa metodologia, esses percentuais vão para 20% e 5%, respectivamente”, completou Nakamura.

Participaram da reunião do CEGRU e da inauguração da StartGRU representantes de entidades da sociedade civil, do setor educacional e empresários.

Para o vice-reitor do ENIAC, Pedro Guérios, a região de Guarulhos tem proporções gigantescas e é uma catalisadora de ideias e inovação, muitas vezes subutilizada por falta de oportunidade e incentivo. “Com o apoio desse ecossistema de inovação e com disposição para se arriscar, os moradores de Guarulhos e região vão levar empreendedorismo e muita novidade a todo o Brasil”, prevê.

A StartGRU vai funcionar dentro do ENIAC. Durante o processo de mentoria, as ideias passarão por um estudo de viabilidade. Também haverá um catálogo de inovação, por meio do qual os empreendedores poderão escolher uma das inovações para criar seu MVP e fazê-la sair do papel.

Padtec registra crescimento de 10,4% na receita no 2.º trimestre

São Paulo (SP) – A Padtec Holding, única acionista da Padtec S/A – fabricante de sistemas de transporte óptico da América Latina –, encerrou o segundo trimestre de 2022 com receita operacional bruta de R$ 103,5 milhões, o que representa crescimento de 10,4% em relação ao trimestre anterior. Com isso, a receita operacional da empresa atinge a marca de R$ 197,2 milhões no acumulado do primeiro semestre de 2022 – uma queda de 4% em comparação a igual período do ano passado.

Resultado de sua estratégia de expansão internacional, a Padtec registrou um crescimento de 53% em receitas com exportações no primeiro semestre do ano, em relação ao mesmo período de 2021. “Isso representa um recorde histórico na composição de receitas e um indicador importante da consolidação da presença da Padtec no mercado internacional, como resultado da estratégia adotada na última década, que culminou em operações diretas da empresa nos mercados latino-americanos”, destaca Manuel Andrade, CEO da Padtec América do Norte. Com sede em Campinas, no interior de São Paulo, a Padtec possui quatro escritórios comerciais no exterior, localizados na Argentina, Chile, Colômbia e Estados Unidos.

Renato Jordão, CFO e diretor de Relações com Investidores da empresa, explica que o ano vem trazendo desafios significativos para o setor e para os negócios, em diversas frentes – macroeconômica, política, além da persistente crise de suprimentos para microeletrônica. “A Padtec está bem posicionada no ecossistema de telecomunicações, oferecendo, de forma competitiva, soluções e serviços inovadores e no estado-da-arte da tecnologia. No entanto, o cenário continua desafiador, em função de fatores locais e globais como o aumento da inflação e da taxa de juros e a pressão por custo nas cadeias logísticas”, destaca o executivo.

O lucro bruto da Padtec, no segundo trimestre do ano, chegou a R$ 28,2 milhões – o que representa um crescimento de 36,2% em relação ao primeiro trimestre. A margem bruta foi de 33,2% (aumento de 4,8 pontos percentuais), mantendo o mesmo patamar dos últimos trimestres e reforçando a rentabilidade dos negócios. A empresa registrou melhora também no EBITDA, com lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização de R$ 5,2 milhões (margem EBITDA de 6,2%) – valor 47,9% maior do que no trimestre anterior. Além disso, fechou o trimestre com endividamento líquido de R$ 20,7 milhões, frente a uma dívida total de R$ 93,9 milhões, reforçando sua sólida estrutura de capital.

No segundo trimestre de 2022, entrou em operação a nova linha de financiamento da Padtec com um fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC), em conjunto com a BNDESPAR (BNDES Participações), que utiliza recursos do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (FUNTTEL), do Ministério das Comunicações, visando o desenvolvimento de soluções para redes 5G. “Para os nossos clientes, novas linhas de crédito trazem novas opções para viabilizar investimentos na expansão de suas operações e no aumento da capacidade e qualidade de suas redes, de modo a suportar o crescimento da demanda no tempo que seu negócio e seus clientes exigem”, afirma Carlos Raimar, CEO da empresa. A Padtec já oferece ao mercado outras opções de financiamento de vendas para clientes – como “vendor”, FIDC com o grupo Sifra e operações de “forfait” para o financiamento de vendas internacionais.

Para o futuro, os planos da Padtec incluem a manutenção do foco em inovação tecnológica para o desenvolvimento de novas linhas de produtos e serviços, a ampliação da liderança no mercado brasileiro e o aumento de sua presença internacional.

Startups ajudam empresas a adotar práticas ESG no polo industrial catarinense

Florianópolis (SC) – A sigla ESG está na boca de grande parte das empreendedoras e empreendedores, mas implementar práticas visando um impacto ambiental, social e de governança positivo ainda é um desafio para as empresas. A inovação tem sido uma aliada em ecossistemas como o de Joinville (SC), onde quase 15% das 143 startups ativas estão voltadas para soluções ESG. É o que mostram dados do Mapeamento das Startups da cidade, realizado pelo Join.Valle, movimento que fomenta o empreendedorismo inovador na região. Economia circular e energia limpa são algumas áreas de atuação das startups.

“Joinville é uma cidade com um grande potencial industrial, onde as empresas têm se conectado com o ecossistema de inovação em busca de novas soluções para os problemas que enfrentam. A crescente preocupação com questões ambientais e sociais também estimula o surgimento de startups que atendam essa demanda”, explica Dionei Domingos, presidente executivo do Join.Valle. “Nosso papel aqui é promover a conexão entre esses atores e estimular o desenvolvimento de novas ideias, por meio de programas como a Jornada de Desenvolvimento, Empreendedorismo e Inovação (JEDI) e projetos em conexão entre Academia e Mercado”.

Com a missão de transformar os resíduos orgânicos dentro da indústria em algo de valor, a Organa Biotech usa biotecnologia para fazer compostagem acelerada. O lixo, que iria para aterros sanitários e geraria custos com transporte, vira um composto para ser utilizado em jardins, vasos e hortas da empresa. Mais de 20 toneladas de resíduos orgânicos já passaram pelo processo, o que representa a redução de 150 toneladas de dióxido de carbono que seriam liberadas no meio ambiente. A startup chegou a produzir oito toneladas de adubo e mil litros de biofertilizante. Entre os clientes estão o Porto Itapoá, a unidade da Ambev em Joinville, a transportadora Rodalog e o Ágora Tech Park.

“O que nos motivou foi a vontade de empreender com algo em que realmente acreditávamos, fazer um negócio que seja importante para as indústrias, mas também para o planeta, e ter propósito todos os dias quando fossemos vender as soluções da Organa. Assim tem sido desde novembro de 2019”, conta Guilherme Zimmermann, cofundador da empresa. Ele e o sócio Rodrigo Gomes criaram o negócio em um Startup Weekend e depois passaram por incubação na Softville, em Joinville, no Programa Nascer da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) e na MIDITEC, da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE). Os próximos passos são contratar mais pessoas e ampliar a atuação nacional, para depois iniciar a operação em outros países.

Outra startup que contribui para minimizar o impacto ambiental das empresas é a YAK Tratores Elétricos. As máquinas da montadora não emitem dióxido de carbono e têm potencial de reduzir em cerca de 70% os custos operacionais com combustível e manutenção. Os clientes, grandes indústrias e aeroportos, estão na região sul e sudeste. “Nossa expectativa com estudos é de que cada trator consiga reduzir aproximadamente 30 toneladas de emissão de CO2 por ano, considerando o número médio de horas de utilização no segmento industrial”, relata João Osório, fundador da YAK.

A ideia nasceu em 2016 e se concretizou em 2018, ano em que a startup recebeu um investimento-anjo de R$150 mil. “Foi um acúmulo de backgrounds, o meu por ter uma família ligada à agricultura, e do meu sócio Adriano Schalinski, que trabalhou numa montadora de tratores multinacional. A gente se inspirou com o surgimento da Tesla e das novas tecnologias de tração elétrica”, relembra Osório. “O ecossistema de Joinville é muito industrial, e para nós isso é muito positivo. Quase todos os serviços e produtos que utilizamos estão na região. Além disso, recebemos apoio da comunidade empresarial de forma geral, dos investidores e da rede de relacionamento”.

Depois de receber R$1,2 milhões de investimento em 2020, a empresa visa ampliar a atuação para conquistar relevância global. “Existe uma perspectiva de que esse mercado seja regulamentado nos próximos anos, então empresas que já tenham uma preocupação ou tenham soluções que promovem reduções de emissão, e ESG de maneira geral, têm uma importância muito grande”, afirma Osório.

Impacto social

A Semearhis foi criada para promover a inclusão de pessoas com deficiência (PcD) no mercado de trabalho. A Lei de Cotas destina 768 mil vagas a esse público, mas apenas 1% delas são ocupadas de fato, de acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (Rais). Buscando mudar esse cenário, a startup fornece uma plataforma que conecta a comunidade com as empresas para gerar “matchs organizacionais”. A startup de Joinville está entre as 40 startups de impacto social selecionadas para a primeira turma de 2022 do programa de aceleração InovAtiva de Impacto.

Além de fazer a conexão para gerar empregos, a empresa dá consultoria para grandes eventos que buscam promover uma experiência acessível para todos, como o 12º Festival de Cultura e Gastronomia de Gramado, realizado em 2020, e as Olimpíadas para Surdos, evento multidesportivo internacional.