Mastercard lança o programa para impulsionar negócios das Fintechs

A Mastercard anuncia o lançamento do Mastercard Accelerate, uma iniciativa global que simplifica a maneira como a empresa trabalha com fintechs, dando-lhes acesso a tudo que precisam para crescer rapidamente. Ao oferecer um ponto de entrada único e simples para o amplo portfólio de programas especializados da empresa, o Accelerate proporciona às startups e empresas emergentes o suporte e a assistência para todas as fases de seu crescimento e transformação, desde a entrada no mercado até a expansão global.

O Accelerate permitirá que as fintechs sejam integradas à Mastercard em questão de semanas e com uma experiência guiada por tudo o que a empresa de tecnologia de pagamentos pode oferecer. Os participantes do programa são conectados a diferentes áreas da empresa para integrarem a tecnologia da Mastercard ao seu negócio, alavancando conhecimento e serviços de cybersecurity, atrair novos clientes e alcançar novos mercados e segmentos. Além disso, o compromisso da Mastercard com a inclusão financeira impulsiona o desenvolvimento focado no produto, ajudando os participantes a co-criarem soluções que permitam uma economia mais inclusiva.

“O Mastercard Accelerate é um acesso único para as inúmeras maneiras que a Mastercard pode ajudar as fintechs de todo o mundo a crescerem e escalarem seus negócios de forma sustentável”, disse Michael Miebach, Chief Product Officer global da Mastercard. “As fintechs estão contribuindo para a rápida transformação digital que torna a vida mais conveniente, mais simples e gratificante. Somos o parceiro ideal das principais fintechs em todo o mundo e, com o Accelerate, convidamos a próxima geração de empreendedores globais a se unirem a nós”.

“E, para os nossos parceiros e clientes de instituições financeiras, o Mastercard Accelerate fornece acesso à próxima geração de empresas e empreendedores inovadores, com um portfólio de startups e fintechs parceiros prontos para criarem e colaborarem no desenvolvimento de novas experiências”, acrescentou Miebach.

O Accelerate é composto por uma variedade de programas premiados que ajudaram participantes de todo o mundo a acessar e se beneficiar do ecossistema, dos clientes e das inovações da Mastercard: Mastercard Fintech Express, Mastercard Engage, Mastercard Start Path e Mastercard Developers.

Mastercard Accelerate

Um dos pilares do Accelerate, o Fintech Express, será essencial para avançar o crescimento das fintechs na América Latina. O programa conquistou grande sucesso para as fintechs no Brasil e agora está pronto para ser expandido para outros mercados latino-americanos. O Fintech Express fornece um conjunto personalizado de regras, produtos e serviços digital-first, projetados de acordo com as necessidades exclusivas das fintechs para ajudá-las a crescer na velocidade exigida por elas e seus clientes.

Sebrae e Groupe PSA promovem desafio tecnológico para startups brasileiras

O Programa Nexos, do Sebrae, lançou os Desafios Tecnológicos Groupe PSA – Gestão de Frota Digital & Experiencia Cliente Paperless para startups de todo o país. A iniciativa proporcionará aos pequenos negócios a oportunidade de se engajarem nas novas tendências tecnológicas, por meio da proposição e execução colaborativa de projetos de inovação. Os projetos de pesquisa e desenvolvimento selecionados poderão receber até R$ 100 mil por desafio com duração de nove meses. Os interessados devem garantir participação até 8 de dezembro.

Os desafios englobam duas grandes áreas, sendo a 1ª voltada para a criação de gestão digital de frota de 4,5 mil veículos. Já a 2ª área busca solução para oferecer uma nova experiência para os clientes das concessionárias, por meio da redução de papéis e burocracias na jornada do cliente com o Groupe PSA. As startups selecionadas terão acesso a serviços de incubação e aceleração, investimentos diretos em pesquisa, desenvolvimento e inovação, além da implementação de tecnologias, produtos e serviços.

A iniciativa faz parte do programa Nexos, realizado pelo Sebrae, que contribui para a inovação e ampliação da competitividade conectando pequenas e grandes empresas, conforme explica o diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick. “O Programa possibilita a conexão de grandes e médias empresas com startups de todo país, contribuindo para a criação de um ambiente de negócios propício ao desenvolvimento de soluções tecnológicas e pequenas empresas inovadoras”, ressalta Quick.

“Trabalhar com as startups nesse desafio é uma oportunidade de darmos visibilidade a seu trabalho, valorizando sua agilidade e pensamento flexível e de ruptura. Ao mesmo tempo, para nós, é uma forma de resolvermos problemas específicos internos que possuímos, e onde nossas soluções atuais podem ser otimizadas com novas ideias. Resumindo, é um processo ganha-ganha, onde podemos testemunhar que a Transformação Digital veio para ficar e para mudar radicalmente tudo o que fazemos e como fazemos”, disse Jean Mouro, Vice-Presidente Sênior de Operações Monozukuri do Groupe PSA América Latina.

Quem pode participar

Para se inscrever, as empresas interessadas devem ser um pequeno negócio inovador formalizado (com CNPJ), legalmente estabelecido em território nacional, limitado ao faturamento anual máximo de R$4,8 milhões de reais e alinhado às áreas de interesse desta chamada. Os critérios de seleção são competência tecnológica para atender ao desafio; aderência às áreas de interesse do desafio; potencial de mercado; maturidade da solução.

Os candidatos poderão submeter suas propostas de projetos por meio do formulário disponível em http://sebrae.com.br/nexos até às 23h59 do dia 08 de dezembro.

China habilita frigoríficos de Santa Catarina para exportação de miúdos suínos

A China habilitou sete estabelecimentos de Santa Catarina para exportação de miúdos suínos. A habilitação é resultado das negociações realizadas durante viagem do presidente Jair Bolsonaro ao país asiático no fim de outubro. A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) esteve em Pequim no período de 18 a 25 do mês passado também em tratativas com o governo chinês.

As plantas frigoríficas brasileiras foram habilitadas para comercializarem seis tipos de miúdos de suínos: pés, língua, focinho, máscara, orelha e rabo.

Os estabelecimentos são BRF (Campos Novos), Pamplona Alimentos (unidades de Presidente Getúlio e Rio do Sul), Cooperativa Central Aurora Alimentos (unidades de Joaçaba e Chapecó) e Seara Alimentos (unidades de São Miguel do Oeste e Itapiranga).

De acordo com estimativa preliminar da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a abertura de mercado para esses produtos pode movimentar no próximo ano US$ 2 bilhões.

Hub de inovação pioneiro quer fortalecer Indústria 4.0 na região Norte

São Paulo – Em parceria com a FPF Tech, o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico (INDT) e a Schneider Electric Brasil, será lançado o FabLab powered by EcoStruxure, laboratório de inovação, na quinta-feira (7), a partir das 15h30, na FPF Tech. O FabLab promete fomentar a Indústria 4.0 na região, já que 480 empresas do Polo Industrial de Manaus estão em plena transição para este modelo, e há demanda crescente por capacitação técnica e suporte no desenvolvimento de soluções especializadas, visando ganhos expressivos de produtividade e competitividade global.

O novo hub de inovação contará com um espaço de aproximadamente 180m², tendo diversas ferramentas e recursos com as principais tecnologias do portfólio EcoStruxure da Schneider Electric voltadas à Indústria 4.0, além de tecnologias próprias da FPF Tech e do INDT.

O laboratório possui seis bancadas, cinco com itens para simulação e aprendizado em automação de máquinas, e uma com equipamentos para automação de processos. Todas as bancadas podem trabalhar individualmente ou conectadas em rede, formando um ambiente real de automação de uma planta.

Um diferencial importante do novo Fab Lab é a integração com o laboratório de Segurança Cibernética do INDT. As soluções desenvolvidas na plataforma Schneider poderão contar com todo o aparato de segurança de dados, por meio de testes de validação que garantem completa proteção contra ataques cibernéticos.

Plataforma alia alta tecnologia e capacitação

O EcoStruxure é uma plataforma de sistema aberta, interoperável e habilitada para Internet das Coisas (IoT), que entrega valor agregado em relação à segurança, confiabilidade, eficiência, sustentabilidade e conectividade para os seus usuários. O projeto FabLab powered by EcoStruxure aproveita os avanços em IoT, mobilidade, detecção, armazenamento em nuvem, análise e segurança cibernética para oferecer inovação em todos os níveis. Isso inclui produtos conectados, Edge Control, aplicativos, análises e serviços.

“A criação do FabLab powered by EcoStruxure permitirá que cada vez mais profissionais da região amazônica tenham acesso aos principais conceitos e soluções que compõem o conceito de Indústria 4.0. No hub, será possível representar de forma aplicada todas as tecnologias da Manufatura Avançada, além de disseminar conhecimento no mercado local”, sustenta Carlos Urbano, diretor de Industrial Automation da Schneider Electric Brasil.

FabLab permite uso para impulsionar a bioeconomia

O FabLab poderá ser utilizado por estudantes e pelo corpo técnico da FPF Tech e do INDT, além de clientes e parceiros. Ali, acontecerão treinamentos variados, com ênfase no uso de tecnologias industriais. “Além de promover a alta qualificação dos profissionais, o laboratório permitirá o desenvolvimento da bioeconomia e rastreabilidade, ou seja, as mesmas tecnologias base da indústria 4.0 serão utilizadas em aplicações voltadas ao bionegócio”, destaca Luís Braga, Diretor Executivo da FPF Tech.

“As soluções de rastreabilidade permitirão assegurar com precisão a localização da colheita de plantas ou frutos em regiões específicas da Amazônia. A utilização destas tecnologias na cadeia extrativista amplia o valor agregado dos produtos da floresta de forma sustentável”, complementa Geraldo Feitoza, Diretor Executivo do INDT.

A expectativa da FPF Tech, INDT e Schneider Electric é alcançar 100% de utilização do hub e, para tanto, as instituições assumiram o compromisso de manter um cronograma de interações mensais com as indústrias locais para divulgar as tecnologias embarcadas no espaço e fornecer capacitação contínua para profissionais da região.

“Nossa intenção é sermos referência em aplicações da Indústria 4.0 na cadeia extrativista amazônica, promovendo desenvolvimento sustentável com apoio da transformação digital”, finaliza Carlos Urbano.

CEOs de Carrefour, Banco Inter e Netshoes revelam grandes erros da carreira

É sempre bom aprender com os erros. E é melhor ainda aprender com os tropeços dos outros, especialmente se forem pessoas de destaque em suas áreas de atuação.

Num evento recente do Google em São Paulo, três CEOs falaram justamente sobre isso. Em uma roda de conversa mediada por Alberto Serrentino, fundador da consultoria Varese Retail, os presidentes de Carrefour Digital, Banco Inter e Netshoes revelaram o grande erro que cometeram durante a administração dessas empresas, e as lições que tiraram. Confira:

O dia em que a Netshoes parou

Márcio Kumruian, CEO da Netshoes, é um veterano no varejo digital brasileiro, mas, em 2015, um erro travou seu site por horas justamente numa das melhores datas do comércio, a Black Friday. “A Netshoes tem mais de 80 milhões de visitas mês, e a grande preocupação é o site ficar no ar, tanto que meu pessoal adora tirar sarro de quem cai. A gente fica lá, com uns oito monitores ligados, acompanhando os sites que caem, administrando isso. Mas, na Black Friday de 2015, a Netshoes também caiu”, conta Kumruian.

De acordo com o executivo, tudo começou a dar errado quando, durante os testes de estresse do site, simplesmente não foi simulado o comportamento do consumidor, apenas comportamentos das máquinas.

“Fizemos o teste de máquinas, mas o cenário com as pessoas na vida real foi diferente. A lição é simular o mais perto possível da vida real, só assim conseguimos evitar os erros”, disse. Kumruian contou que o site saiu do ar à meia noite de quinta-feira e a conexão só foi restabelecida por volta das três da manhã de sexta.

“Só que quando voltou começamos a fazer contas para avaliar o que tinha acontecido e descobrimos que o site iria cair de novo às 9 da manhã. E aí bateu o desespero no time, todo mundo muito estressado”, explica

Kumruian conta que teve uma ideia nada inovadora para resolver o problema da quantidade enorme de tráfego no site: criar uma fila. “A fila subiu as 9h15 da manhã, mesmo com o site já lento. É até engraçado, mas essa fila era um aplicativo que mostrava quantas pessoas estavam no site, uma espécie de segurança de balada, sai 10 entra 10, e assim por diante. Ficamos o dia todo nesse esquema”, afirma.

Com a solução, o site não saiu mais do ar e se manteve online durante toda a Black Friday daquele ano, segundo o executivo.

Banco Inter: o bom produto que virou um problema

João Vitor Menin, CEO do Banco Inter, mostrou que a transição para um mercado diferente pode ser complicada. Ele contou que a força do varejo, quando a marca acerta a implementação de um produto, pode ser maior do que a esperada, e que as empresas devem se preparar, o que não aconteceu com o Banco Inter. “Tivemos uma experiência com seguros de automóveis e o que aconteceu foi que não conseguimos dar uma resposta a tempo para os nossos clientes, em função da quantidade de solicitações”, explicou o CEO.

Menin deixou claro que o gargalo não foi tecnológico, mas puramente operacional, com erros do banco e da seguradora parceira no negócio.

“Foi uma avalanche e não estávamos preparados para isso. Aproveitamos muito pouco. Vimos que não basta ter a tecnologia e o cliente se não tiver experiência com o negócio.”

O CEO ressaltou que o caso serve de inspiração para a empresa até hoje, para evitar que os problemas não se repitam na hora de lançar produtos e serviços.

O bem me quer, mal me quer do Carrefour

Paula Cardoso, CEO do Carrefour Digital, começou a conversa expondo um problema que aconteceu com uma parceria entre as floriculturas da companhia e o aplicativo de entregas Rappi.

De acordo com a executiva, a ideia era que a floricultura do Carrefour fosse uma loja especifica dentro do sistema do Rappi, e o objetivo era aumentar as vendas atraindo o consumidor pela comodidade.

“Lançamos o projeto e, na primeira experiência que fizemos, não chegou uma pétala inteira. Nenhuma flor sobreviveu. Foi um desastre”, conta Paula.

Para Paula, erros como esse são importantes para que a empresa acerte no futuro. A executiva incentiva que aquilo que deu errado deva ser discutido e estudado à exaustão para que o tropeço não seja repetido por nenhum setor da empresa.

“Montamos um ‘vai quem quer’ de erros. Uma vez por semana, todo mundo [o time do Carrefour Digital] se reúne na área de convivência e pergunta qual foi o erro da semana e o que os outros squads podem aprender com ele. E isso gerou uma agilidade, uma melhora, não apenas de processo decisório e de perder o medo de errar, mas de aprender com o próprio erro.”

Em Rio do Sul (SC), empresas são abertas em até cinco dias

Para abrir um negócio no Brasil, em média, o empreendedor leva 119 dias. Mas um município do Alto Vale catarinense conquistou a proeza de reduzir esse número em 23 vezes: em Rio do Sul (SC), do pedido de abertura até a cessão de todos os alvarás, o tempo máximo é de cinco dias úteis.

A chave para a redução, de acordo com Paulo Fiamoncini, secretário de desenvolvimento econômico, é a integração entre todos os entes envolvidos no processo. Isso só foi possível com a inauguração da Casa do Empreendedor, que fez um ano em setembro. “Lá, temos um envolvimento de todas as secretarias, por exemplo: além daquelas mais claramente ligadas a negócios, como a de finanças, temos por lá a área de infraestrutura com foco no Meio Ambiente e de Saúde com representantes da Vigilância Sanitária, por exemplo. Isso faz com que seja possível que todas as entradas sejam efetuadas de forma sincronizada e rápida”, diz.

A Casa do Empreendedor, no entanto, vai além disso: entidades empresariais, instituições financeiras e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Ocips) também tem espaço na estrutura, que já realizou mais de 6 mil atendimentos. Só em setembro de 2019, mais de 700 pessoas físicas e jurídicas foram atendidas. Nos últimos dois anos, o município de cerca de 70 mil habitantes teve dois mil novos negócios abertos.

O planejamento para a integração e construção da Casa do Empreendedor foi realizado em 2017 em parceria com o Sebrae/SC, através do primeiro ciclo do programa Cidade Empreendedora. Para o biênio 2019-2020, quando a cidade vive o ciclo II, novas ações devem desburocratizar ainda mais a abertura de empresas e fomentar micro e pequenos negócios na região.

Novo portal de SP agiliza abertura, alteração e baixa de empresas

A Junta Comercial de São Paulo (Jucesp), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, lançou o portal Integrador Estadual, que permitirá ao empreendedor realizar em um único ambiente as principais interações para seu negócio, desde a viabilidade locacional e registro mercantil até a legalização de funcionamento e exercício de atividades econômicas.

Desenvolvido pela Prodesp, em parceria com a empresa G&P, a plataforma ficou mais moderna e funcional para facilitar o acesso aos serviços disponíveis para abertura, alteração e baixa de empresas. É por meio dele que é feita a troca de informações com os órgãos e entidades federais, estaduais e municipais que são responsáveis pelo processo de registro e legalização de todas as empresas do Estado de São Paulo.

“A grande vantagem é que o site promove a integração entre os sistemas de diversos órgãos do Governo e traz mais agilidade e simplificação na tramitação de processos e na transparência pública”, afirma Ernesto Mascellani Neto, Superintendente da Prodesp.

Com o Integrador Estadual todo o processo será feito em um único portal, on-line, de maneira simples e prática, não sendo mais necessários inúmeros comparecimentos presenciais às Prefeituras, Receita Federal, Corpo de Bombeiros, CETESB, entre outros órgãos.

Todas as informações sobre o Integrador Estadual e as etapas do registro empresarial estão disponíveis no site da Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp).