Consumo mundial de café ultrapassa 162 milhões de sacas

A estimativa do consumo mundial de café no ano cafeeiro 2017-2018 é de 162,116 milhões de sacas de 60kg, volume recorde que representa um crescimento superior a 2% em relação ao do ano cafeeiro anterior, que foi de 158,901 milhões de sacas.

Nesse contexto, vale destacar que desde o ano cafeeiro 1990-1991 – quando o volume consumido foi de 90,28 milhões de sacas – a taxa de crescimento média do consumo mundial é de 2% ao ano, tendo acumulado aumento de quase 80% desde esse ano.

Neste ano cafeeiro 2017-2018, o consumo mundial estimado é 3,555 milhões de sacas superior à produção mundial de café, cujo volume é de 158,560 milhões de sacas de 60kg.

Anúncios

Até 2022, Brasil deve alcançar 60,4 milhões de compradores digitais

São Paulo – Investimentos contínuos em infraestrutura digital, melhorias no acesso à internet móvel, menor custo de planos de dados e a rápida adoção de smartphones têm sido os principais impulsionadores do crescimento do comércio móvel na América Latina, de acordo com o último relatório “Latin America Ecommerce”, da eMarketer, apresentado em agosto, em que a Logan, líder em marketing móvel na América Latina, foi uma das principais fontes.

Este ano, pela primeira vez, o mobile representará mais de um quarto (27,5%) das vendas no varejo de comércio eletrônico na região, atingindo US$ 14,62 bilhões. Na verdade, o comércio eletrônico continuará a crescer dois dígitos ano após ano, alcançando quase um terço (32,5%) do comércio eletrônico de varejo em 2022.

No Brasil, dos 52,3 milhões de compradores digitais em 2018, a expectativa é que esse número aumente para 60,4 milhões em 2022. Até lá, mais de um terço (34,8%) da população do país terá feito pelo menos uma compra digital através de qualquer dispositivo. Para este ano, ainda, estima-se que três de cada dez vendas do varejo eletrônico sejam feitas em dispositivos móveis (30,2%) e que, até 2022, essa proporção suba para 4/10 (39,1%). O Brasil, que tem a maior indústria de varejo e publicidade da América Latina, continuará a ser o berço do maior varejo eletrônico da região. O país será responsável por 47,7% das vendas regionais, seguidas pela Argentina (13,6%) e México (9,5%).

Critérios demográficos norteiam as compras feitas em smartphones no Brasil

Ao longo de um ano, as compras feitas via smartphones no país aumentaram de 21,2% para 32,8%, indicando a importância crescente das compras digitais feitas através de dispositivos móveis. No entanto, as diferenças permanecem entre as linhas demográficas brasileiras.

As mulheres (37,3%) foram muito mais propensas do que os homens (28,5%) para fazer uma compra digital em seu smartphone. O público mais jovem, pessoas entre 18 e 34 anos, lidera o volume de compras nesta modalidade, representando quase metade (48,3%) das transações, contra 11,4% dos compradores digitais com 55 anos ou mais.

A pesquisa também revela que o menor nível socioeconômico (38,2%) de compradores digitais fizeram mais que o dobro do número de compras em seus smartphones em comparação com outros dispositivos (17,5%). Isto se dá devido ao fato de os compradores digitais das classes C, D e E analisados não possuírem internet disponível ou conexão de boa qualidade em casa. Dessa forma, o acesso à rede desse grupo se resumiu aos smartphones, enquanto o das classes A e B brasileria geralmente se restringir mais aos desktops e laptops, o equivalente a 82,5% nos últimos 12 meses.

“Antes, as pessoas achavam que as conversões ocorriam apenas em computadores e consideravam a publicidade móvel como uma maneira de atrair a atenção de novos clientes em potencial”, diz Ignacio Álvarez Sáez, CGO da Logan. Atualmente, essa mentalidade mudou, já que “um número crescente de compras é feito em dispositivos móveis”.

O diretor geral da Logan no Brasil, Francesco Simeone, explica que a Logan acompanha essas mudanças. “Hoje, oferecemos soluções de aquisição e redirecionamento de usuários para empresas de comércio eletrônico que buscam gerar mais conversões ativando usuários recém-adquiridos, acompanhando usuários ativos e leais e interagindo com usuários adormecidos para convidá-los a retornar”, concluí.

Black Friday deve avançar 15% em 2018

A Black Friday, que será realizada no dia 23 de novembro, deve registrar avanço de 15% em relação a sua última edição, em 2017. A projeção é da Ebit, empresa de informações sobre o comércio eletrônico nacional. A expectativa está relacionada ao “esquenta Black Friday”, semana que antecede à data e em que já é esperado crescimento em vendas. Segundo a Wevo, especialista no desenvolvimento de tecnologias para integração de sistemas e dados, durante a Black Friday, os consumidores antecipam as aquisições de final de ano e efetivam compras planejadas anteriormente ao período.

Vendas do varejo crescem 0,8% em agosto, indica Mastercard

São Paulo – As vendas no varejo tiveram um fraco desempenho no mês de agosto. Segundo o SpendingPulse, Indicador de Varejo da Mastercard, excluindo as vendas de automóveis e materiais de construção, o volume de vendas totais do mês cresceu apenas 0,8%, ante agosto de 2017. A média dos últimos três meses permanece positiva, totalizando 1,2% de crescimento.

O Dia dos Pais não representou resultados significativos para as vendas do mês, sendo que a melhora na renda e na confiança do consumidor e a redução da taxa de desemprego foram os principais responsáveis pelo crescimento, mesmo que moderado. “Essa tendência deve permanecer até o final do ano, com meses de crescimento modesto pela frente”, afirma César Fukushima, Economista-Chefe da Mastercard Advisors no Brasil.

Cinco setores tiveram crescimento acima do indicador de vendas totais: móveis e eletrodomésticos, artigos farmacêuticos, material de construção, supermercado e artigos de uso pessoal e doméstico. O setor de combustíveis foi o único que apresentou performance abaixo da média.

As vendas do e-commerce registraram aumento de 17,4% em agosto, na comparação ano a ano. Os setores de eletrônicos, artigos farmacêuticos e móveis tiveram desempenho superior à média, enquanto os setores de vestuário e hobby & livraria ficaram abaixo do crescimento do canal.

Desempenho nas regiões brasileiras: As regiões Nordeste (1,7%) e Sul (1,2%) tiveram desempenho acima da média, enquanto e Sudeste (-0,9%), Norte (-0,6%) e Centro-Oeste (-0,4%) ficaram abaixo do registrado pelo varejo, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Natal deve abrir 72,7 mil vagas temporárias no varejo

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) prevê que o Natal deste ano deverá registrar queda, tanto nas vendas quanto na abertura de vagas temporárias. A Confederação estima a contratação de 72,7 mil trabalhadores temporários, o que representa recuo de 1,7% em relação aos 73,9 mil postos criados no ano passado. De acordo com a CNC, a desaceleração da economia diante do cenário de incertezas do segundo semestre deverá levar as vendas do varejo a crescer menos no Natal de 2018 (+2,3%) do que no de 2017 (+3,9%), resultando em uma movimentação de R$ 34,4 bilhões.

A temporada de oferta de vagas no setor deve ocorrer entre setembro e dezembro – um “efeito de adiamento” em relação aos anos anteriores. “Antes da crise, mais de 20% das vagas eram preenchidas até outubro. Nos três últimos anos, esse percentual não passou dos 15%”, afirma Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC.

Os maiores volumes de contratação deverão se concentrar no segmento de vestuário (47,9 mil vagas) e no de hiper e supermercados (11,5 mil vagas). Além de serem os “grandes empregadores” do varejo – juntos eles representam 42% da força de trabalho do setor –, esses segmentos costumam responder, em média, por 60% das vendas natalinas.

Salários

O salário de admissão deverá alcançar R$ 1.230, avançando, portanto, 3,9% em termos nominais na comparação com o mesmo período do ano passado. O maior salário de admissão deverá ocorrer no ramo de artigos farmacêuticos, perfumarias e cosméticos (R$ 1.500), seguido pelas lojas especializadas na venda de produtos de informática e comunicação (R$ 1.431). No entanto, esses segmentos deverão ofertar apenas 1,5% das vagas totais a serem criadas no varejo.

Efetivação dos temporários

Diante da lentidão no processo de retomada econômica e das incertezas em relação às condições de consumo no início de 2019, a taxa de absorção dos trabalhadores temporários deverá voltar a recuar em relação ao percentual percebido após o natal de 2017, quando 23,1% dos contratados em regime temporário foram efetivados nos meses seguintes ao Natal.

Dia das Crianças deve ter alta de 3% em vendas

O Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro, pode movimentar 3% a mais em vendas. A afirmação é de uma pesquisa realizada pela FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo). O estudo aponta que 28,6% dos varejistas acredita em uma alta de 5% para as vendas e 57,1% relata que 2017 ofereceu um cenário melhor para o comércio. “O momento econômico do país e as campanhas eleitorais deixam o consumidor apreensivo”, explica o presidente da FCDLESP, Mauricio Stainoff. Segundo a pesquisa, o ticket médio esperado para a data está entre R$ 60,00 e R$ 100,00 e o setor de vestuário deve apresentar destaque.

Fluxo de visitantes a shopping centers apresenta alta

No mês de agosto, o fluxo de visitantes nos shopping centers foi positivo, com um aumento de 0,38% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o Índice de Visitas a Shopping Centers (IVSC), realizado pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), em parceria com a FX Retail Analytics, empresa especializada em monitoramento e fluxo para o varejo.

Segundo presidente da Abrasce, Glauco Humai, o setor de shoppings estimula o crescimento do varejo. “Os shoppings do país são um vetor de desenvolvimento importante. Os empreendimentos, em todo Brasil, recebem mais de 400 milhões de visitas por mês. Ou seja, registrar uma alta com base em dado tão representativo, mostra que os shoppings brasileiros inovam a cada ano e se mantêm sólidos no mercado”, afirma.

As regiões Sudeste e Sul registraram crescimentos de 0,25% e 0,80%, respectivamente. Já o Nordeste caiu 0,63% em relação a 2017. “Houve crescimento analisando os números do ano anterior, mesmo que leve. Até o fim de 2018, com Dia das Crianças, Black Friday e Natal, a expectativa é que os brasileiros saiam para as compras, finalizando o semestre de maneira ainda mais positiva.”, afirma Walter Sabini Junior, sócio-fundador da FX Retail Analytics.

Entre os dias 6 e 10 de agosto, houve um aumento no fluxo em todo o Brasil devido ao Dia dos Pais, data forte para o varejo. Neste período, houve um crescimento de 1,22% se comparado com mesmo período de 2017.

Na medição regional, o Sudeste teve alta de 2,05%, seguido do Sul com 1,12% e Nordeste com 0,41%.