Sumitomo Chemical e BASF vão desenvolver novo fungicida

Tóquio, Japão, e Ludwigshafen, Alemanha – A Sumitomo Chemical e a BASF, duas das principais empresas químicas mundiais, anunciaram um acordo de colaboração para o desenvolvimento de um novo fungicida. O acordo reúne as habilidades de inovação das duas empresas para desenvolver um novo composto fungicida destinado aos produtores de todo o mundo.

O composto, descoberto pela Sumitomo Chemical, demonstra alta eficácia no controle de doenças de plantas, incluindo aquelas que desenvolveram resistência a outros fungicidas disponíveis.”Junto com a BASF, poderemos oferecer para um maior número de produtores a oportunidade de desfrutar dos benefícios deste novo fungicida, que desempenhará um papel importante no manejo da resistência das doenças mais difíceis de controlar. Por meio desta parceria, mostramos nosso compromisso com a produção agrícola sustentável”, explicou Ray Nishimoto, Diretor Executivo e Representante da Sumitomo Chemical, durante a cerimônia oficial de assinatura na Alemanha.

Anúncios

Franquia MTCred apresenta novo modelo de negócio

A MTCred, fundada em 2008, teve um crescimento de 300% em 2016, passando de 8 para 24 unidades franqueadas, além de 10 próprias. Já em 2017 a rede possui 51 unidades, com 43 franquias e 9 unidades próprias em funcionamento em 15 estados O faturamento de R$156 milhões é um reflexo do sucesso e aceitação da marca.

A empresa de crédito consignado, criada pelo empresário Raniery Queiroz,soube aproveitar a crise e tirar ensinamentos – um deles foi a necessidade de reestruturação – que os deixou mais enxutos, eficientes e flexíveis, inclusive quanto aos modelos de negócio.

Por isso, estão trazendo para a ABF Franchising Expo um modelo de negócio novo, a franquia Smart, que é home office e possui um investimento inicial de R$ 14.990,00. Com essa nova opção,a MTCred espera fechar o ano com 110 unidades em funcionamento no país.

EAD Laureate reforçam ações de empregabilidade para estudantes

Na última quarta-feira de maio (31), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados que mostraram a primeira redução na taxa mensal do desemprego no país desde 2014. Embora o índice continue alto, o lado positivo foi o registro de uma queda na taxa no mês de abril, em relação a março, o que pode significar a abertura de alguns milhares de postos de trabalho no país, depois de um longo período em que só eram registrados fechamentos de vagas. De olho nesse novo momento, as instituições que integram a Laureate no Brasil apostam no diferencial da preparação que oferecem para seus alunos, como instrumento para garantir que eles possam conquistar essas vagas.

No EAD Laureate, por exemplo, os estudantes de graduação têm acesso a diversas ações focadas na empregabilidade para melhor prepará-los para esta competição pelas oportunidades disponíveis no mercado. Na instituição, os alunos matriculados em qualquer graduação – e no último semestre de seus respectivos cursos – podem participar do jogo “Com que Roupa Eu Vou”, programa voltado para o desenvolvimento de carreira e parte do Programa de Apoio ao Emprego e Carreira (PAEC) – que também oferece cursos extracurriculares, como o Presentation Skill voltado para técnicas de apresentação em público.

O jogo “Com que Roupa Eu Vou” é focado em quatro pilares: autoconhecimento, preparação de carreira, networking e gestão de carreira. Dividido em nove fases, o jogo funciona inteiramente dentro do ambiente Blackboard (plataforma de EAD da Laureate), com fases lançadas a cada semana, durando um semestre inteiro.

Em cada etapa, o participante pontuará de acordo com três critérios: 1) respondendo o quiz da fase; 2) por meio da postagem dos desafios semanais propostos pelo mediador e 3) provendo feedback para os colegas sobre os desafios postados. Quanto maior a participação, maior será a pontuação final – o que será importante na nona e última fase do jogo. Na última etapa, somente os 20 primeiros colocados (somando a pontuação das oito fases anteriores) poderão pontuar com um super-desafio – que será avaliado por uma equipe de especialistas.

Por meio destas fases, o jogo busca desenvolver diversas habilidades importantes para a carreira profissional do estudante, como: conhecimentos valorizados pelos empregadores, construção de networking eficaz, uso de redes sociais profissionais, como o LinkedIn, técnicas para processos seletivos, entre outros aspectos. Por fim, os dez primeiros colocados receberão bolsas de estudos para pós-graduações na instituição: o primeiro lugar recebe 100% de bolsa; o segundo, 70%; o terceiro, 50% e do 4º ao 10%, 30%.

Diante de um mercado de trabalho extremamente competitivo, estas ações de empregabilidade das universidades oferecidas ao estudante podem ser o diferencial para fazer a sua carreira decolar.

10 milhões de pessoas buscam informação sobre seguros na internet

São Paulo – No primeiro trimestre de 2017, foram registradas na internet 12 milhões de buscas sobre seguros ao mês. Dessas, 10 milhões foram sobre seguro saúde e 2 milhões, sobre as empresas seguradoras. Esses dados foram apresentados pelo Google na primeira reunião do Comitê de Insurtechs da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), na semana passada. “Mais do que revelar um crescimento de 11% no segmento, esses números nos mostram que há uma oportunidade nesse mercado que não pode ser ignorada”, diz Gustavo Zobaran, coordenador do comitê.

Segundo ele, para atingir esses 10 milhões de pessoas, as seguradoras terão que se reinventar, oferecendo produtos cada vez mais personalizados, com uma experiência diferenciada e com preços ajustados de acordo com cada perfil, entregando ao consumidor exatamente o que ele precisa, no momento em que ele necessita.

O levantamento do Google revelou ainda que 31% dessas buscas foram realizadas a partir de dispositivos móveis, contra 48% de telecom, 57% de automóveis e 42% de viagem. Isso mostra a predisposição do brasileiro às inovações tecnológicas. “As empresas devem olhar para esses números e identificar o potencial de crescimento do setor dentro do seu segmento”, afirma Zobaran. “E aquelas que oferecerem a facilidade de contratação de um seguro a partir de um celular ou um tablet ou que investirem em tecnologia levam vantagem”.

Nas buscas feitas por meio de dispositivos móveis, as categorias de seguro mais procuradas são Celular (45%), Aluguel/Fiança (44%), Vida e Acidentes Pessoais (43%), Auto (42%) e Residencial (39%).

O Comitê de Insurtechs da camara-e.net foi criado para acompanhar a tendência mundial de transformação dos serviços seguradores com o uso da tecnologia.

Santander reduz juro da linha de crédito que permite usar imóvel como garantia

São Paulo – O Santander diminui os juros da sua linha de crédito pessoal que permite utilizar o imóvel quitado como garantia. As taxas da modalidade, conhecida como “home equity”, já eram mais competitivas do que as de outros empréstimos, caem de um intervalo de 1,28% a 1,43% ao mês para 1,22% a 1,39% ao mês. Os novos porcentuais são válidos a partir desta sexta-feira (16).

Amplamente usado nos Estados Unidos, o crédito pessoal com imóvel como garantia permite ao consumidor levantar recursos para organizar suas finanças – por exemplo, ao quitar dívidas de taxas mais altas -, ou para realizar de planos e até usar como capital de giro para empresas.

“Desde o ano passado, quando voltamos a ser mais proativos em oferecer o produto, tivemos retorno imediato dos clientes. Hoje podemos dizer que temos a melhor solução para quem deseja tomar um empréstimo com pagamento no longo prazo”, afirma Gilberto Abreu, diretor executivo de Negócios Imobiliários do Santander.

Para adquirir o financiamento, o cliente Santander tem que possuir um imóvel quitado (próprio ou de terceiros) residencial ou comercial, com valor a partir de R$ 70 mil. A linha de crédito pode ficar entre R$ 30 mil e R$ 2 milhões, limitada a 60% da cotação de avaliação do imóvel. O prazo de pagamento é de 1 ano a 20 anos, em parcelas fixas. O Banco ainda permite o financiamento da tarifa de avaliação do imóvel e do IOF (que podem ser embutidos nas mensalidades), além de uma parcela sem pagar por ano.

Você sabia que existem variações do programa de trainee?

Sabe aquele candidato a trainee com perfil mais generalista? A boa notícia é que ele continua sendo demandado e com espaço para participar de processos de seleção em programas de trainees. Mas o que ele não sabe é que há outros programas em desenvolvimento nas empresas com focos, propósitos e diferentes demandas das oferecidas até hoje.

“Os programas tradicionais começam a ser substituídos por modelos mais estruturados e com novas propostas de desenvolvimento. O mercado está à procura de profissionais mais experientes, com espírito de liderança e bagagem internacional. Cada vez mais as empresas apostarão num candidato mais aderente à sua cultura e capaz de liderar grandes projetos e até mesmo equipes. Esse tipo de pessoa é muito valorizada pelas companhias porque entende rapidamente seu papel na organização e como pode fazer a diferença em pouco tempo”, explica Manoela Costa, gerente executiva da Page Talent, unidade de negócios da Page Personnel dedicada ao recrutamento de estagiários e trainees.

Confira abaixo alguns modelos de programas bastante requisitados pelas companhias para atrair e selecionar trainees:

– Trainee sênior

É um dos perfis mais requisitados pelas companhias neste momento, especialmente por multinacionais. O programa procura selecionar candidatos com aptidão para liderança, capacidade de gestão e interlocução com outras áreas de negócios. O perfil buscado sugere experiência prévia, domínio obrigatório de um segundo idioma, pós-graduação e três a seis anos de formação. “Candidatos com essas características são extremamente valorizados neste momento porque podem fazer a diferença em períodos de crise e de instabilidade econômica. As empresas precisam desse profissional para administrarem projetos, áreas e até equipes em algum momento. É um trainee mais sênior e pronto para operar”, revela Manoela. A consultora conta ainda que os salários desse especialista costumam variar de R$ 8 mil a R$ 12 mil. “A remuneração é mais elevada por conta das exigências que a vaga demanda”, diz.

– Trainee internacional

Outro programa que tem despertado o interesse de grandes empresas é o de trainee internacional. Consiste basicamente em atrair candidatos dispostos em buscar o desenvolvimento profissional em unidades fora do Brasil. “Esse modelo é adotado por companhias que já desenvolvem programas de trainee em outras unidades e buscam esse intercâmbio para tornar esse jovem mais próximo do negócio e entender melhor a cultura e procedimentos de empresas com atuação global”, detalha a consultora. “Como se trata de um programa com atuação no exterior, dominar o segundo idioma é imprescindível”, completa. O salário gira em torno de R$ 4 mil a R$ 6 mil no primeiro ano e costuma ter reajuste a partir do segundo. O plano de desenvolvimento varia de acordo com a empresa e geralmente estão contempladas rotações em mais de dois países.

– Trainee tradicional

Ainda é o programa mais adotado pelas empresas no Brasil. Nesse modelo o jovem recém-formado é treinado e capacitado para ocupar posições de liderança. “Ainda há muito espaço para esse tipo de programa no Brasil. As empresas procuram, por meio desse modelo, descobrir jovens talentos com enorme potencial de desenvolvimento e espírito de liderança. E acabam descobrindo pessoas com esse perfil”, conta Manoela. A remuneração de candidatos selecionados nesse programa é de R$ 4 mil a R$ 6 mil.

– Trainee técnico

Muitas empresas estão percebendo que o gargalo de sucessão não está na liderança e sim em áreas específicas. É aí que entra a necessidade de um programa de formação técnica. Ele pode atuar na operação ou em áreas corporativas como, por exemplo, Compras ou Finanças. A remuneração desse programa é semelhante à do trainee tradicional, entre R$ 4 mil e R$ 6 mil.

Mineiros e argentinos lançam Câmara de Comércio e Indústria

Um almoço realizado hoje, na sede da Fecomércio MG, celebrou a assinatura do protocolo de intenções para a criação da Câmara do Comércio e Indústria Argentina-Minas Gerais. Além da Federação e da Fiemg, o documento conta com a representação da Embaixada da Argentina no Brasil (idealizadora do projeto) e do Consulado Geral da Argentina em Belo Horizonte. O objetivo é criar um canal para fomentar e estreitar o intercâmbio econômico, tecnológico, social, educacional e cultural entre as duas partes.

O presidente do Sistema Fecomércio MG, Sesc e Senac, Lázaro Luiz Gonzaga, ressaltou que a Câmara será fundamental para diversificar e ampliar os laços do nosso Estado com o país vizinho. “A ideia é atuar de forma dinâmica, em contato direto com o empresário”, explica. A Fecomércio oferecerá apoio institucional, estudos para embasar as estratégias, organização de rodadas de negócios e outras iniciativas para intermediar as transações com o empresariado mineiro.

O embaixador da Argentina no Brasil, Carlos Alfredo Magariños, acrescentou que os dois países têm uma parceria de mais de 30 anos, que se fortalece por meio de iniciativas como a que foi formalizada hoje. “Temos grande potencial para ampliarmos ações, apesar de turbulências econômicas e políticas. E a relação que temos com Minas é muito importante, até mesmo em comparação com outros países da Europa. O compromisso que firmamos agora significa uma porta para seguir construindo essa integração, com uma Câmara moderna e que vai dinamizar os negócios”, conclui.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado, observa que a Câmara é um projeto que vem sendo formatado há algum tempo e que contribuirá para valorizar tanto o empresariado mineiro quanto o argentino. Além disso, deverá estimular investimentos. A cerimônia oficial de assinatura do protocolo de intenções acontecerá às 16h30, na sede da Fiemg.

Estiveram presentes ao evento da Fecomércio MG: presidente do Sistema Fecomércio MG, Sesc e Senac, Lázaro Luiz Gonzaga; presidente da Fiemg, Olavo Machado Júnior; embaixador da Argentina no Brasil, Carlos Alfredo Magariños, cônsul-geral da Argentina em Belo Horizonte, José Cafiero; cônsul-adjunto da Argentina em Belo Horizonte, Camilo Ernesto Silberkasten; presidente da Câmara de Comércio Argentino-Brasileira, Federico Servideo; superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha; secretária da Embaixada da Argentina no Brasil, Maria Julia Lorenzo; cônsul-adjunto Geral da Argentina em Belo Horizonte, Mariano Guida; representante da Fecomércio MG na Câmara do Comércio e Indústria Argentina-Minas Gerais e presidente do Sincagen, Marcus Cury; presidente do Sincopeças BH, Helton Andrade, entre outros convidados.