Delphos procura startups no segmento de seguros

A Delphos, empresa especializada em soluções para o mercado segurador criada há 50 anos, procura startups que estejam ligadas ao mercado de seguros. A proposta da empresa é investir financeiramente na startup em troca de alguma exclusividade a ser combinada.

Segundo Sergio Delecrode, Gerente de Projetos e Desenvolvimento da Delphos, a novata pode ser de qualquer segmento, de automóvel a saúde, e atuar em diversas áreas, de backoffice até ponta de atendimento. “Temos dois projetos já em andamento. Um mais adiantado na área de saúde e outro ainda muito embrionário”, disse.

O propósito de investir em uma startup é abrir o leque de opções de atuação da Delphos. “Buscamos novas ideias, novos segmentos e novos clientes”, diz Delecrode, ressaltando que a companhia quer ser protagonistas nesta revolução digital que está em jogo, criada por consumidor que sabem o que querem e que buscam serviços personalizados.

A empresa montou um comitê interno de inovação e também conversa com aceleradoras, sem ter se associado a alguma até o momento.

Anúncios

Atividade freelance cresce 80% em 2017

São Paulo – Em um cenário onde o desemprego atinge 12,6% no primeiro trimestre do ano, alcançando cerca de 13,1 milhões de brasileiros, o número de trabalhadores freelancers cresceu 80% em 2017. É o que aponta o novo Relatório de Trabalho Independente e Empreendimento realizado pela Workana, plataforma de trabalho freelance com atuação em toda a América Latina.

De acordo com Guillermo Bracciaforte, cofundador da Workana, a modalidade foi uma alternativa encontrada pelos brasileiros que perderam seus empregos nos últimos anos, ou para aqueles que buscaram soluções para obter uma fonte de renda extra. Além disso, o estudo aponta o surgimento de um novo perfil de trabalhador, que valoriza a flexibilidade e a liberdade de atuação proporcionada pelo freelancing, e que também impactou o crescimento registrado pela categoria.

A pesquisa, realizada com mais de 500 empresas em toda a América Latina no período de abril a maio também identificou que apesar de não ter vínculo com a empresa, o trabalho freelance oferece segurança aos contratantes: o estudo revela que 72% pretendem contratar freelancers novamente nos próximos meses. Junto ao dado, apresenta-se que a área de tecnologia (50%) seguida da de marketing (40%) são as que mais contratam, por isso Marketing e Vendas, TI e Programação e Design e Multimídia são as áreas que mais possuem profissionais cadastrados na plataforma.

Plataformas como a Workana, que dão suporte aos freelancers, além de conectarem profissionais e empresas que buscam serviços, também apresentam crescimento a cada ano. Fundada em 2012, a empresa dobrou sua atuação em relação ao ano anterior e já possui mais de 1 milhão de freelancers cadastrados e 22 mil projetos realizados mensalmente nas oito categorias disponíveis no site.

O crescimento do setor é tão significante, que a Workana expande seus serviços para o Sudeste Asiático, com o objetivo de ter uma vantagem competitiva ao redor do mundo no mercado de trabalho online. A escolha pelo local acompanha o forte crescimento do mercado online, de acordo com um relatório do Google e Temasek, a região deve alcançar a posição de líder em uso de internet em 2018.

Startups brasileiras que inovam na economia compartilhada

São Paulo – A economia compartilhada é uma tendência de consumo, principalmente quando se trata do público mais jovem. Ferramentas como Airbnb e o próprio Uber Pool já fazem parte do dia a dia dos consumidores e dispensam apresentações. Mas, nos últimos meses, novos negócios surgiram, trazendo ainda mais inovação aos modelos do segmento.

O volume de pessoas que procuram por este tipo de serviço também tem aumentado ano a ano e, com isso, o setor atinge grande potencial de crescimento. Segundo dados da consultoria de negócios PwC, a previsão é de que, em 2025, a economia compartilhada fature cerca de US$ 335 bilhões no mundo todo.

Pensando nisso, separamos três novas empresas que, com modelo baseado no compartilhamento, querem facilitar nosso dia a dia. Confira:

1. Rentbrella
Você já saiu de casa sem o guarda-chuva e pegou uma tempestade no caminho de casa ou do trabalho? Então, a Rentbrella é a primeira empresa a oferecer compartilhamento de guarda-chuvas na América Latina.

De maneira simples, o usuário baixa o aplicativo e libera o guarda-chuva em um ponto de retirada, pagando apenas 1 real por hora. Quando não precisar mais, pode devolver em qualquer outro ponto, geralmente localizado em prédios comerciais ou estações de ônibus e metrô. Atualmente, são mais de 50 pontos dispostos na região da Av. Paulista, em São Paulo.

2. Buser
Nas rodoviárias do país, as passagens de ônibus intermunicipais custam muito caro. Isso acontece porque os valores são tabelados de acordo com o termo de concessão entre as empresas e o Estado. Com isso, o passageiro se vê obrigado a pagar valores muito mais altos do que o custo real da viagem.

Pensando nisso, a Buser, startup mineira criada em 2017, oferece uma plataforma digital para você fretar um ônibus. A ideia é se conectar a um grupo de viagem que vai para o mesmo destino e fazer um rateio do valor do frete. Com isso, o desconto chega a 60%, se comparado às passagens rodoviárias. Outra vantagem é que o conforto dos ônibus também é melhor e mais seguro.

3. Yellow
A Yellow, startup criada este ano pelos donos da 99Táxis, vai disponibilizar mais de 20 mil bikes nas ruas de São Paulo. O objetivo é oferecer compartilhamento de bicicletas sem o uso de estações, ou seja, o usuário consegue pegar a bike em qualquer lugar e deixar também em qualquer lugar. Cada unidade terá um GPS, que permite encontrar a bike mais próxima, e um sistema antifurto que deixa a bicicleta travada na rua. Agora é só esperar a plataforma estrear, e começar a usar.

Tracbel amplia presença no Nordeste

A ampliação do Grupo Tracbel no Nordeste do país acontece com o controle das concessionárias da Apavel, que respondiam pela marca sueca nos três estados. A infraestrutura da Apavel cobre cidades como Fortaleza (CE), Teresina (PI), Imperatriz e São Luiz (MA). Juntas, têm 240 funcionários e 78 boxes de atendimento. “Pela longa tradição, vamos manter o nome Apavel, uma grife Volvo na região Nordeste”, assegura Luiz Gustavo Pereira, CEO da Tracbel.

Em função da aquisição, o grupo mineiro passa a ter nove concessionárias de caminhões e ônibus, além de mais 18 distribuidores de equipamentos de construção e motores industriais da marca Volvo. A ampliação para o Norte e Nordeste começou em 2016, com a distribuição de caminhões e ônibus para o Pará, Amapá, Amazonas e Roraima. Segundo Luís Gustavo, a expansão deve continuar para as cidades de Itaituba (PA), Boa Vista (RR) e Balsas (MA).

“A Tracbel tem uma experiência sólida na distribuição de máquinas e veículos. Estamos confiantes de que as casas Apavel continuarão a dar pleno suporte aos clientes Volvo em sua região, com a estrutura de um grupo premiado, que é referência em gestão no setor”, declara Adriano Merigli, diretor de desenvolvimento de concessionárias do Grupo Volvo América Latina.

Digitalização pode reduzir corrupção na América Latina

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) acaba de divulgar o estudo O fim do trâmite eterno: cidadãos, burocracia e governo digital, que analisa o impacto do uso da digitalização nos países da América Latina e Caribe. Entre os resultados apontados pelo levantamento estão a maior agilidade – os procedimentos digitais demoram 74% menos que os procedimentos presenciais – e redução no custo dos serviços. Mais impactante, porém, são os efeitos na redução da incidência de corrupção e, é claro, na burocracia.

De acordo com o estudo, concluir um único procedimento leva em média 5,4 horas na região, mas, em alguns países, chega a demorar mais de 11 horas. Oferecer procedimentos presenciais custa ao governo até 40 vezes mais do que poderia custar o serviço equivalente em uma plataforma digital, no entanto, atualmente, apenas três países, Brasil, México e Uruguai, têm mais da metade de seus procedimentos disponíveis on-line.

Na União Europeia é possível iniciar 81% dos procedimentos on-line. Na América Latina, a quantidade de procedimentos digitais é muito menor, o que contribui para que somente 7% das pessoas relatem ter resolvido seu procedimento burocrático mais recente de maneira digital.

“Este estudo oferece um guia para reformas de simplificação e digitalização de procedimentos que sejam focadas na experiência dos cidadãos e façam uso estratégico de instrumentos digitais”, disse Ana María Rodríguez-Ortiz, gerente do Departamento de Instituições para o Desenvolvimento do BID.

O estudo indica ainda que os custos dos procedimentos são mais altos para as pessoas de baixa renda, porque elas têm menos flexibilidade no horário de trabalho e perdem renda quando têm que passar horas em filas para resolver um procedimento burocrático. E 30% das pessoas de baixa renda afirmam ter pagado suborno alguma vez para conseguir completar um procedimento, enquanto 25% das pessoas de renda mais alta afirmam ter feito isso.

Os obstáculos à digitalização dos serviços incluem o fato de que apenas 66% das pessoas têm assinaturas de serviços de banda larga móvel e 11% de banda larga fixa. Somente 40% têm cartão de débito para fazer pagamentos on-line.

Operadora brasileira tem quase 15 mil hotspots na Rússia

A Linktel anunciou uma cobertura com quase 15 mil hotspots na Rússia por meio de parceiros de roaming. A lista de cidades inclui Moscou, São Petesburgo, Rostov do Don, Ecaterimburgo, Volgogrado, Saransk, Samara, Níjni Novgorod, Sochi e Kazan, entre outras. A navegação será feita via as empresas Trustive e Beeline, que garantem a presença internacional da Linktel. A companhia também mantém acordo com outras gigantes internacionais, como a Boingo, AT&T, Ipass, British Telecom e Wigo (Peru).

“Somos uma operadora brasileira com presença mundial. Sempre estivemos presentes em grandes eventos esportivos, incluindo a Copa do Mundo 2014 e dois anos depois nas Olimpíadas do Rio de Janeiro”, conta Jonas Trunk, presidente da Linktel. Segundo ele, os serviços de roaming da operadora incluem mais de um milhão de hotspots espalhados em mais de 100 países.

No Brasil, a empresa oferece conexões de alta velocidade com uma plataforma de transporte baseada em rede híbrida de rádio e fibra óptica e utilizando equipamentos com tecnologia Gigabit Ethernet.

Tamboro fecha parceria com Ismart para desenvolver jovens talentos

A Tamboro, startup de inovação em educação, anuncia parceria com o Instituto Social para Motivar, Apoiar e Reconhecer Talentos (Ismart). O objetivo é oferecer um ambiente on-line e interativo com uma linguagem própria para jovens, no intuito de desenvolver competências socioemocionais que atendam às demandas sociais e de trabalho da atualidade.

Ativo desde 1999, o Ismart, uma organização sem fins lucrativos, atua na identificação de talentos de baixa renda com idade entre de 12 e 15 anos, concedendo bolsas em escolas particulares e o acesso a programas de desenvolvimento e orientação profissional. Por meio da plataforma on-line da Tamboro, os bolsistas do Instituto terão acesso a cursos que, ao colocar em prática novas metodologias, possibilitarão que eles ampliem seu entendimento em colaboração, comunicação e inovação, entre outras competências.

Até o final de 2018, a parceria pretende alcançar mais de 600 estudantes, número que deve crescer para mil nos próximos três anos. Fabiano Gonçalves, gerente do Ismart Online, ressalta que um dos principais resultados esperados é que os alunos apliquem os aprendizados nos seus projetos. “Acreditamos que os recursos da plataforma Tamboro contribuirão para que os alunos desenvolvam as competências propostas pelo Ismart e ainda coloquem em prática durante o desenvolvimento dos projetos que realizam durante o ano.”

Maíra Pimentel, diretora de projetos da Tamboro, explica que na plataforma os mentores dos alunos podem acompanhar a evolução de cada estudante, incluindo feedbacks diretamente na ferramenta. “Usamos diferentes abordagens para cumprir um objetivo em comum: desenvolver competências”, pontua Maíra. “O mercado de trabalho e a sociedade como um todo estão sendo fortemente afetados pela inserção de novas tecnologias, e queremos usá-las a nosso favor para oferecer novas oportunidades aos alunos do Ismart”, afirma. Afinal, um dos grandes objetivos da parceria, complementa Maíra, é ajudar estes jovens a se transformarem em protagonistas do seus próprios destinos.