Confiança dos empresários do comércio tem 11º mês seguido de alta

O IFECAP – Índice de Expectativas nos Negócios – da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado) registrou, em fevereiro, 109,33 pontos na série com ajuste sazonal, aumento de 8% quando comparado ao mês de fevereiro de 2016.

Em relação ao mesmo período do ano anterior, o índice saltou de 73,84 para 109,18 pontos, aumento de 47,9%, sendo o maior valor registrado no índice desde janeiro de 2015. “A expectativa de queda dos juros, além da ampliação do crédito (construída a partir da política de redução de juros do Banco Central) explicam, em parte, tal otimismo. Os resultados de alguns segmentos do comércio são fortemente influenciados pela disponibilidade de crédito”, segundo o professor de Economia Erivaldo Costa Vieira, Coordenador do NECON – Núcleo de Conjuntura Econômica da FECAP.

O Índice-Momento Atual, em fevereiro, foi de 96,75. O valor abaixo de 100 pontos representa pessimismo dos empresários, mas a recuperação da confiança continua: no mês de fevereiro, o indicador registrou mais um aumento, desta vez 9,7%.  Na comparação com o mês de Fevereiro de 2016, o aumento foi de 53,6%.   A separação dos elementos formadores do Índice-momento atual em Vendas, Encomendas e Situação dos Negócios nos mostra o seguinte cenário: o primeiro apresentou variação positiva de 3% em relação ao mesmo período do ano passado, o segundo subiu 12% e o último, 13,5%.

O Índice-Futuro registrou alta pelo segundo mês seguido, subindo 6,2% em relação a Janeiro de 2017.  O Índice-Futuro é composto pelas expectativas de vendas para os próximos três meses, e pode ser dividido em dois segmentos: o Indicador de vendas futuras, que cresceu 5,9%, e o Índice-Futuro de Encomendas, que registrou alta de 6,4%.  O Índice-Futuro do mês de fevereiro deste ano, quando comparado ao mesmo período do ano anterior, registrou aumento de 62,3%.

O índice geral por porte da empresa mostra piora nas expectativas das microempresas, com variação negativa de 2,2%. No entanto, houve aumento significativo nas expectativas das grandes empresas de 28,6% a mais do que fora registrado no mesmo período do ano anterior. As pequenas e médias empresas também exibiram melhora, de 13,2% e 1,4%, respectivamente.

O indicador por regiões, por sua vez, exibiu o retorno na confiança dos empresários da capital, com aumento de 19,8%, além do crescimento de 5,8% na confiança dos empresários do interior do estado de São Paulo (em que se destacam cidades como Ribeirão Preto, Campinas e Bauru, todas ficaram acima dos 110 pontos).

Índice FECAP de Expectativa nos Negócios

Composto pela compilação de informações sobre as empresas do comércio varejista do Estado de São Paulo, o IFECAP considera o desempenho atual das vendas a clientes e das encomendas a fornecedores, bem como a avaliação geral da situação atual do negócio. O índice avalia ainda informações sobre as expectativas dos empresários quanto às vendas e encomendas para os próximos três meses.

O IFECAP – Índice FECAP de Expectativa nos Negócios consiste em um indicador baseado em metodologia largamente utilizada por diversos países. Há mais de 12 anos, a FECAP coleta dados e calcula mensalmente o índice, que avalia a situação atual das empresas do comércio varejista, com informações sobre o desempenho atual das vendas e das encomendas.

A escolha do comércio varejista como universo da pesquisa se deve ao fato de ser esse setor o elo entre a indústria em geral e o consumidor final, uma vez que grande parte da produção de todos os setores da economia acaba circulando de alguma forma pelas empresas do comércio. Seu principal uso refere-se à previsão do nível de atividade da economia, isto porque o índice procura avaliar a expectativa real dos empresários em relação às variáveis chaves, como encomenda a fornecedores e venda ao consumidor final, ou seja, a antecipação do comportamento da produção e renda.

O IFECAP é composto pela compilação de informações sobre o desempenho atual das vendas e das encomendas, bem como a avaliação sobre a situação atual das empresas do comércio varejista. Consideram-se ainda informações sobre a expectativa dos empresários quanto ao desempenho das vendas e das encomendas para os próximos três meses.

Indicadores

O IFECAP divide-se em três indicadores:

•    Índice-Momento Atual: diz respeito às respostas dos empresários sobre as suas encomendas atuais, realizadas junto a seus fornecedores; a evolução das vendas no período atual; e a avaliação da situação geral dos negócios;

•    Índice-Futuro: calculado com base nas expectativas dos empresários em relação às suas vendas e encomendas em um horizonte temporal de 3 meses;

•    Índice-Geral: é o indicador composto da agregação dos dois índices descritos acima.

Metodologia

A metodologia do IFECAP considera um conjunto de perguntas qualitativas referidas às expectativas do empresário. São pesquisadas diversas empresas do comércio varejista nas cidades de São Paulo.

A pesquisa é sempre realizada na semana do dia 15 do mês corrente, composta por questões qualitativas, que captam a percepção do empresário em relação ao desempenho de sua empresa, classificadas em micro empresas, pequenas, médias e grandes empresas.

Faturamento da indústria aumenta 0,7% em janeiro

O faturamento da indústria cresceu 0,7% e o rendimento médio do trabalhador aumentou 0,6% em janeiro de 2017, na comparação com dezembro de 2016. Os números são dessazonalizados, ou seja, livres das influências características dos períodos.

As informações foram divulgadas hoje (7) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), através da pesquisa Indicadores Industriais.O nível de utilização da capacidade instalada também teve bom desempenho, com alta de 0,5%, alcançando 77,2% em janeiro deste ano.

Empregos caem 0,5%

Os demais indicadores, no entanto, foram negativos. As horas trabalhadas na produção caíram 0,9% e o emprego recuou 0,5%. A massa real de salários teve queda de 1,5%. Para a CNI, os dados indicam que ainda não há sinais claros de recuperação da atividade industrial.

Na comparação com janeiro de 2016, todos os indicadores continuam negativos. O faturamento real teve queda da 6,9%, as horas trabalhadas na produção caíram 2,1%, o emprego recuou 4,7%, a massa real de salários diminuiu 5,4% e o rendimento médio real do trabalhador encolheu 0,6%.

Saques do 1º lote de contas inativas começam sexta (10) e devem somar R$ 6 bilhões

Os saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começam na próxima sexta-feira (10) para cerca de 4,8 milhões de trabalhadores. Nesse primeiro lote, a retirada do benefício estará disponível até 7 de abril apenas para os nascidos entre janeiro e fevereiro.

A expectativa da Caixa Econômica Federal é de que os saques dessa liberação cheguem a R$ 6 bilhões. O número de pessoas com direito a retirada a partir deste mês corresponde a 16% do total.

Para realizar o saque, o trabalhador deve procurar uma agência da Caixa Econômica Federal e apresentar o número de inscrição do PIS/PASEP, documento de identificação e comprovante finalização do contrato de trabalho (carteira de trabalho ou Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho). As agências da Caixa também estarão abertas no sábado (11) para auxiliar na liberação do FGTS.

Nos correspondentes Caixa Aqui e Lotéricas, valores até R$ 3 mil poderão ser retirados com documento de identificação do trabalhador, Cartão do Cidadão e senha. Quem for correntista do banco pode autorizar o recebimento do crédito em conta pelo site da Caixa.

Podem sacar o saldo das contas inativas do FGTS os trabalhadores com carteira assinada que, em um ou mais contratos de trabalho, pediram demissão ou foram demitidos por justa causa com o contrato finalizado até 31 de dezembro de 2015.

Segundo a Caixa, mais de 30,2 milhões de trabalhadores têm direito ao saque do saldo das contas inativas do FGTS.

Calendário

O mês de abril terá o maior volume de pagamentos, com a possibilidade de saque para os trabalhadores que fazem aniversário nos meses de março, abril e maio. Ao todo, 26% dos trabalhadores terão o direito de retirar o montante entre os dias 10 de abril e 11 de maio.

Entre 12 de maio e 14 de junho, os cotistas que fazem aniversário nos meses de junho, julho e agosto poderão sacar o valor das contas inativas. Segundo a Caixa, o período compreende 25% das pessoas com direito ao benefícios.

Esse é o mesmo percentual dos que poderão efetuar o saque das contas inativas entre os dias 16 de junho e 13 de julho, período destinado para os trabalhadores que fazem aniversário em setembro, outubro e novembro.

De 14 a 31 de julho, poderão fazer o saque os trabalhadores aniversariantes no mês de dezembro, que representam 8% do total.

A data limite para realizar o saque termina em 31 de julho. Quem perder o prazo só poderá sacar o valor das contas inativas quando se aposentar, comprar moradia própria ou se enquadrar nas outras possibilidade de saque previstas nas regras do fundo, entre elas, ser morador de região afetada por catástrofe natural.

Mulheres conquistam cada vez mais espaço na construção civil

São Paulo – O Dia Internacional da Mulher é celebrado em 8 de março. Pedreiras, engenheiras, técnicas em segurança do trabalho, instaladoras – são cada vez mais numerosas as funções desempenhadas pelas mulheres nos canteiros de obras, inclusive em cargos administrativos ou no comando das empresas. Apesar de ainda serem minoria, elas vêm elevando sua participação no total de trabalhadores da construção. Segundo os últimos dados disponíveis da RAIS/IBGE, em 2015 o sexo feminino já representava 9,74% da força de trabalho formal do setor. A cidade de São Paulo tem mais mulheres que a média nacional, e corresponde a 68.398 trabalhadoras.

De acordo com a gerente de Medicina Ocupacional do Seconci-SP, dra. Ina Irene Liblik Quintaes, o aumento da presença feminina em construções se deve, entre outros motivos, à qualidade de execução da mão de obra feminina; ao zelo com os equipamentos e nível de atenção aos detalhes em atividades de acabamento.

“As mulheres são cuidadosas e meticulosas, possuem grande capacidade de refinamento na execução das tarefas, além de concentração e limpeza. Elas são procuradas sobretudo para atividades que requerem profissionais atentos a todos os detalhes, e que sejam perfeccionistas e caprichosas, como pinturas, assentamento de peças cerâmicas e instalações elétricas”, explica a médica.

O comprometimento e a dedicação das mulheres também trazem reflexos econômicos positivos. As mulheres costumam chegar no horário, utilizam corretamente os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e ferramentas, reduzindo em muito os custos com acidentes de trabalho e desgaste dos materiais.

Em relação à saúde da mulher no canteiro de obra, a dra. Ina explica que o mais importante é respeitar a sua estrutura física, principalmente no que tange à sobrecarga. A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) estipula que elas não podem prestar serviços que exijam força muscular superior a 20 quilos para o trabalho contínuo, ou 25 quilos para o trabalho ocasional.

Além disso, para um melhor desempenho no canteiro de obras, o empregador deve implantar rotinas de trabalho, pausas, verificar o EPI que melhor se adequa à mulher e disponibilizar equipamento e maquinários ergonômicos, que facilitem o transporte e manuseio de cargas.

“Vale lembrar que é essencial respeitar as paradas para a alimentação, hidratação, fornecer o protetor solar e estar ciente de que no período menstrual existe uma baixa da resistência e da imunidade da mulher e que nesse período pode existir um declínio no desempenho no trabalho”, ressalta a especialista.

Entre as ações de saúde direcionadas à mulher, o Seconci-SP recomenda a realização de palestras e difusão de informações sobre planejamento familiar; prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e Aids, de câncer de colo uterino e de mama, do fotoenvelhecimento e do câncer de pele – incentivando o uso do protetor solar; e aleitamento materno e seus benefícios.

CIEE recruta para estágio na Advocacia Geral da União

O CIEE está com inscrições abertas para formação de cadastro reserva destinado ao programa de estágio da Advocacia Geral da União (AGU), em várias cidades do País.

Podem participar estudantes do primeiro ao oitavo semestre do curso de direito.

O valor de bolsa-auxílio para jornada de 4 horas é de R$ 203 (ensino médio) e R$ 364 (ensino superior), além de auxílio-transporte de R$ 6/dia estagiado.

O processo seletivo é composto por prova objetiva sobre língua portuguesa, conhecimentos gerais, noções de direito (administrativo, constitucional e processual civil) e entrevista.

Inscrições devem ser realizadas até às 23h59 (horário de Brasília), do próximo domingo (12/03), no site http://www.ciee.org.br, onde consta o edital com mais informações, inclusive a lista das cidades contempladas. Caso o estudante ainda necessite de esclarecimentos sobre o processo seletivo, poderá entrar em contato com a unidade do CIEE mais próxima. Endereços no mesmo site.

Empresas oferecem oportunidades para estágio e trainee

Bunge, Renault e Sistema Ari de Sá recrutam jovens para diversas áreas como Engenharia, ADM, Comunicação, Psicologia, Direito e Logística, entre outras.

Renault – Programa de Estágio 2017

Hoje uma das maiores montadoras de automóveis do país, produzindo cerca de 200 mil veículos por ano entre 2010 e 2015, com o apoio de uma rede de mais de 300 concessionárias espalhadas pelo Brasil.

Inscrição e informações complementares: https://goo.gl/GqyZDn

Vagas: Paraná (São José dos Pinhais) e São Paulo (Capital).

Prazo: até 10 de março.

Etapas do Processo
– Redação em inglês com no mínimo 10 linhas
– Vídeo de apresentação em português
– Desafio de raciocínio lógico
– Desafio de conhecimento sobre o negócio/mercado da empresa
– Desafio sobre conhecimentos gerais

Pré-Requisitos
– Disponibilidade de ao menos 1 ano para estágio
– Inglês intermediário

Cursos: Administração, Psicologia, Engenharias, Comunicação Social, Economia e Ciências Contábeis.

Remuneração/Carga Horária e Benefícios: não informado (conferir durante o processo).

Sistema Ari de Sá – Programa Trainee SAS 2017

É uma plataforma de ensino que disponibiliza materiais didáticos e tecnologia educacional para os níveis de Educação Infantil ao Pré-Universitário. O sistema foi fundado em 2004, e hoje está presente em mais de 620 escolas particulares em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal.

Inscrições e informações complementares: https://goo.gl/u3K6Gb

Vagas: São Paulo (Capital) e Fortaleza (Ceará).

Prazo: até 9 de abril.

Etapas do Processo
– Análise Curricular
– Teste Online
– Dinâmica de grupo
– Entrevista com Setor de Gente e Gestão e lideranças
– Painel com gestores
– Entrevista Final

Carga Horária: 44 horas semanais. Duração do programa: seis meses.

Remuneração e Benefícios: não informado (conferir durante o processo).

Bunge Brasil – Programa de Estádio 2017

Multinacional de origem holandesa, especializada em agronegócio e alimentos.

É detentora de diversas marcas reconhecidas pelo consumidor brasileiro: Salada, Soya, All Day, Cardeal, Delícia, Primor, Etti Salsaretti e Bunge Pro. A empresa atua no Brasil desde 1905.

Inscrições e informações complementares: https://goo.gl/vXa8au

Prazo: até 19 de março.

Vagas: São Paulo: Orindiúva (região de São José do Rio Preto), Pontes Gestal (região de Votuporanga) e Ouroeste (região de Fernandópolis, próxima a São José do Rio Preto).

Minas Gerais: Santa Juliana, Itapagine e Frutal.

Mato Grosso: Nova Mutum, Lucas do Rio Verde, Campo novo do Parecis, Rondonópolis e Primavera do Leste.

Mato Grosso do Sul: Ponta Porã.

Paraná: Maringá e Cascavel.

Rio Grande do Sul: Rio Grande.

Goiás: Luziânia.

Bahia: Luis Eduardo Magalhães.

Tocantins: Pedro Afonso.

Cursos: o candidato deve estar no penúltimo ou último ano de graduação em: Administração, Economia, Ciências Contábeis, Psicologia, Direito, Logística, Engenharia de Produção, Engenharia Agrícola, Engenharia Agronômica, Engenharia de Automação, Engenharia Agroindustrial, Engenharia de Alimentos, Engenharia Química, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Ambiental, Engenharia de Energia.

Remuneração e Benefícios: não informado (conferir durante o processo).

Carga horária: o programa tem a duração máxima de 2 anos.

Quatro empreendedoras para você se inspirar no Dia Internacional da Mulher

Após anos de luta por igualdade em diversos setores da sociedade as mulheres conquistaram um considerável espaço no cenário nacional e mundial, mas a ideia é ir além do que já foi alcançado. Hoje, muitas empresas colocam as mulheres em cargos de liderança coisas que décadas atrás não se era nem cogitado.

Outra vantagem é que as mulheres estão se arriscando mais no mundo empresarial, elas estão abrindo o seu próprio negócio e fazendo suas próprias regras. A cada ano que passa o número de mulheres autônomas e empreendedoras cresce no Brasil. De acordo com o SEBRAE, o País possui cerca de 7,3 milhões de empreendedoras. Além disso, nos últimos 10 anos o número de negócios fundados pelo sexo feminino aumentou 21,4%. Os segmentos de interesse são distintos vão desde moda e acessórios até eventos e TI.

“Vivemos em uma sociedade machista, mas isso não pode nos calar. Ser mulher no Brasil é difícil não só em questões salariais, mas também questões religiosas, sexuais, entre outros. A cada dia que passa a mulher fica mais ativa e presente dentro da sociedade”, menciona a educadora e CEO da Minds Idiomas, Leiza Oliveira.

Veja abaixo quatro empreendedoras de segmentos completamente diferentes que conquistaram o tão sonhado sucesso empresarial.

Sabrina Nunes – Ex- cortadora de cana

A empreendedora Sabrina Nunes, CEO do maior e-commerce de semijoias do Brasil – a rede Francisca Joias – iniciou sua carreira com vendas de picolés, roupas, foi garçonete e até cortou cana em Mato Grosso do Sul. A empresária mineira investiu 50 reais para vender bijuterias em um site terceirizado e após o sucesso resolveu criar sua própria loja online. Deu certo! Em um ano ela faturou o seu primeiro milhão e em 2016 ela faturou R$ 2,5 milhões.

Leiza Oliveira – ex-costureira de lingerie

Leiza Oliveira, dona da Minds Idiomas, começou a carreira de empreendedora costurando e vendendo lingeries para amigos e parentes com objetivo de fazer uma renda extra. Hoje, a rede Minds está com cerca de 70 unidades espalhadas pelo Brasil com faturamento de R$ 72 milhões. A escola promete um curso enxuto de 18 meses para quem pretende aprender inglês de forma rápida.

Ana Gomes e Lívia Mangini – Estudantes que começaram em um quarto

A agência de eventos corporativos que nasceu em um quarto, pois as amigas de faculdades não tinham como arcar com despesas de aluguel, ficou no cômodo durante 2 anos. A Magnólia nasceu em 2011 e já cresceu 590%. Em 2016 a empresa faturou R$ 1,3 milhão. O diferencial da Magnólia é a atenção que cada colaborador oferece ao cliente. Além da consultoria durante todas as fases do evento corporativo, a agência disponibiliza para o cliente o acesso a uma plataforma online para que ele acompanhe o passo a passo da concretização do trabalho.

Francisca Joias Contemporâneas
A Francisca Joias é o maior e-commerce de semijoias do Brasil, com cerca de 3 mil peças à venda. A empresa nasceu do desafio de levar produtos de qualidade com preço acessível e serviços diferenciados para mulheres que buscam uma loja virtual diferenciada desde produtos até atendimento. A marca inovadora que comercializa acessórios online é especializada em brincos, anéis, pulseiras e colares, com design arrojado. A marca segue as principais tendências da moda. O objetivo da marca é encantar e deixar as mulheres não só mais bonitas, mas acima de tudo felizes!

Minds Idiomas
Com 9 anos de existência o segredo da rede de idiomas Minds é a tecnologia. Com 70 escolas em todo país, a Minds foi à primeira rede a implantar o ensino do inglês em tablets mantendo os livros físicos. Com especialistas em captação de conteúdo, a CEO Leiza Oliveira, tem a consciência que a forma de aprendizado de cada criança e adulto é individual. Personalização e inovação são as palavras que movem franqueados e alunos da rede. O tempo de duração do curso da Minds é de 18 meses.

Magnólia Comunicação
A Magnólia Comunicação é uma agência inteligente que cria, planeja e executa eventos corporativos únicos e transformadores fundada há seis anos por Ana Gomes e Lívia Mangini. Sediada em São Paulo, atua em qualquer região do país e oferece soluções personalizadas, independente do porte do contratante ou do projeto. Entre os serviços oferecidos estão: concepção, planejamento e execução de eventos corporativos; negociação e gerenciamento de fornecedores; e o serviço exclusivo de consultoria para alinhamento de demandas e conquista do objetivo final do evento. Atualmente a empresa tem em seu portfólio clientes como Autodesk, Duke Energy, EF EnglishTown e Air Liquide, entre outros.

Carnaval beneficia turismo em todo o Brasil

O Carnaval é uma das datas mais importantes para o turismo nacional. A folia movimenta a economia, gera empregos e atrai visitantes dispostos a curtir desde as superproduções dos camarotes, passando pelos trios elétrico até os tradicionais bloquinhos de rua. Em Salvador, um dos principais destinos da festa, a ocupação hoteleira chegou a 95% no período, gerando 200 mil empregos temporários. A estimativa da Secretaria de Turismo da Bahia (Setur) é de que 600 mil turistas tenham passado pela capital baiana, um aumento de 9% em relação a 2016. Destes, 10% são estrangeiros. Em todo o estado foram registrados cerca de 2 milhões de visitantes, que injetaram R$ 1,5 bilhão na economia baiana.

Na maioria dos destinos nordestinos, os índices de ocupação hoteleira registraram uma média de 90% no período. Em Alagoas, 90% dos 31 mil leitos ficaram ocupados no feriadão, mesmo índice registrado em Sergipe. Na Paraíba, 200 mil turistas foram responsáveis pela ocupação de cerca de 95%. O Ceará recebeu cerca de 112 mil turistas com o impacto de aproximadamente R$ 140 milhões de receita direta na economia estadual. Em toda a cadeia produtiva do turismo cearense foram gerados R$ 230 milhões, um aumento de cerca de 10% em relação a 2016. A taxa de ocupação da rede hoteleira ficou na casa dos 84% durante o período.

No Rio Grande do Norte, a média de ocupação no período foi de 89%. Em Recife, que deverá fechar o balanço na próxima semana, a expectativa de ocupação hoteleira foi de 95%, com injeção de R$ 1,2 bilhão na economia pernambucana. Em São Luís, os cinco dias de festa criaram 1.450 empregos informais. Deste total, 950 atuaram nos circuitos oficiais da folia.

“Os números positivos demonstram como o Carnaval é um importante indutor do turismo nacional, gerando empregos e renda. Nossa expectativa é crescer ainda mais e para isso estamos investindo fortemente na qualificação profissional e infraestrutura turística”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Levantamento preliminar da São Paulo Turismo (SPTuris) mostra que os gastos dos foliões que curtiram o carnaval na capital, em 2017, cresceram 55% na comparação com a festa de 2016. O gasto médio subiu de R$ 617 para R$ 957 em três dias de folia. Também foi registrado um crescimento de 167,5% no número de turistas no Sambódromo e de 203% no carnaval de rua. São Paulo viu crescer de 7,7%, em 2016, para 20,6% a participação de turistas na festa mais popular do país.

A prefeitura de Belo Horizonte comemora o maior carnaval da sua história com a marca de 500 mil turistas, que garantiram 59% de ocupação na rede hoteleira, um aumento de 19 pontos percentuais em relação a 2016. No Rio de Janeiro, que ainda vive os últimos dias de folia, o balanço deverá ser feito na próxima semana, mas a estimativa é de que 1,1 milhão de turistas brasileiros e estrangeiros tenha aproveitado a festa, gerando uma movimentação financeira em torno de R$ 3 bilhões.

Na capital federal, o carnaval levou 1,5 milhão de foliões para as ruas, um crescimento de 58% em relação a 2016, e movimentou R$ 500 milhões. Goiás registrou a movimentação de 425 mil foliões, sendo 15,6% de turistas. Ainda no Centro-Oeste, a capital de Mato Grosso, Cuiabá, estima que os três circuitos carnavalescos receberam aproximadamente 150 mil pessoas, entre turistas e moradores, em cinco dias de festa. ‘Além de ser uma cultura importante do Brasil, o carnaval movimenta milhões na economia das cidades’, avaliou o secretário de Cultura, Esporte e Turismo de Cuiabá, Júnior Leite.

Em Roraima, no norte do País, os balneários de Tepequém e Caracaraí, polos turísticos do estado, o fluxo de turistas no carnaval subiu de 17,5 mil, em 2016, para 35,5 mil, em 2017. O aumento expressivo resultou em 100% de ocupação das pousadas e hotéis da região.

Novo indicador de propensão ao consumo mostra que 58% pretendem cortar gastos em março, diz SPC Brasil e CNDL

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) iniciam a divulgação mensal do Indicador de Uso de Crédito e de Propensão ao Consumo, que busca reunir dados sobre a evolução da utilização de crédito e consumo em geral pelos consumidores, duas variáveis importantes da economia e de interesse particular do varejo. O novo indicador de propensão ao consumo aponta que 58% dos consumidores pretendem cortar gastos no mês de março, enquanto 31% afirmam que irão manter os gastos e somente 5% disseram que irão aumentar. Além disso, o levantamento também mostra que mais de um terço dos entrevistados (34%) estão no vermelho, ou seja, não conseguiram pagar todas as contas em fevereiro. Quase metade (49%) estão no zero a zero – sem sobras e sem falta de dinheiro – e 15% estão com sobras, sendo que 11% pretendem guardar o excedente e 4% querem gastar.

Segundo Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, o cenário de dificuldades da maioria dos entrevistados pode ser reflexo da crise econômica e de excessos no período de festas, além das despesas típicas de início de ano. “Um descontrole nas comemorações de fim de ano, quando o apelo ao consumo é maior, aliado às contas e tributos do início do ano, pode gerar dificuldades financeiras”, avalia. “Pensando no reequilíbrio do orçamento, é importante que as despesas sejam reduzidas e compras desnecessárias sejam evitadas”, completa.

Entre os itens que os consumidores pretendem comprar no próximo mês estão os itens de farmácia (33%), recarga de telefone (28%), itens de vestuário (27%), perfumes e cosméticos (21%), e serviços de salão de beleza, citados por 11% dos entrevistados.

43% dos consumidores utilizaram algum tipo de crédito em janeiro; cartão de crédito é o meio mais utilizado

O estudo também busca medir, numa escala de zero a 100, a utilização de crédito pelos consumidores no mês anterior à pesquisa, sendo considerados empréstimos bancários, financiamentos, cartões de crédito, de loja, crediários, e limite do cheque especial. Quanto mais próximo de 100 estiver o indicador, maior o uso do crédito; quanto mais distante, menor o uso. No mês de fevereiro, foram registrados 27,9 pontos. Em termos percentuais, 43% dos consumidores disseram ter utilizado algum tipo de crédito em janeiro, sendo que o cartão de crédito foi a modalidade mais utilizada pela maioria (39%, com gasto médio de R$ 805,73), seguido de cartão de loja e crediário (14%, com gasto médio de R$ 336,37) e limite do cheque especial (6%). Houve também utilização de empréstimos (5%) e financiamentos (3%), modalidades com critérios de concessão mais rigorosos.

Com o desemprego em alta, gastos considerados supérfluos ficaram em segundo plano. Entre aqueles que utilizaram cartão de crédito, a maioria o fez uso para itens de necessidade: 57% para alimentação ou supermercado, 45% farmácia ou remédios, 34% itens de vestuário, 29% para combustível.

Entre os que utilizaram crediário, os itens mais adquiridos foram de vestuário (42%), alimentos (24%), eletroeletrônicos (10%) e eletrodomésticos (8%) – geralmente as lojas oferecem crediários por meio de carnê ou cartão da própria loja para os itens citados, por isso eles se destacam nestas modalidades.

Já entre os que possuem financiamentos, 20% utilizaram para comprar carro, 17% para eletrodomésticos, 9% para apartamento, 9% faculdade e 9% também para móveis.

Com relação ao acesso ao crédito, 46% dos entrevistados disseram ter cartão de crédito, 28% possuem cartões de loja ou crediário e 19% têm cheque especial à disposição. Também são citados empréstimos (17%) e financiamentos (18%), ambos com parcelas em aberto.

Marcela Kawauti explica que a decisão de tomar crédito deve ser de maneira pensada para que a dívida não resulte em inadimplência. “Antes de utilizar qualquer tipo de crédito, é importante avaliar se a compra é mesmo necessária. Caso a compra seja inadiável, o consumidor deve buscar informação sobre as taxas de juros e verificar se as parcelas caberão em seu orçamento”. Segundo a economista-chefe do SPC Brasil, o consumidor deve ficar ainda mais atento ao utilizar cartão de crédito ou cheque especial. “Se a modalidade de crédito escolhida for cartão de crédito ou cheque especial, o cuidado deve ser redobrado, pois as taxas são de 400% e 300% ao ano, respectivamente”, finaliza.

Metodologia

A pesquisa abrangeu 12 capitais das cinco regiões brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. Juntas, essas cidades somam aproximadamente 80% da população residente nas capitais. A amostra, de 800 casos, foi composta por pessoas com idade superior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

SulAmérica lança seguros inéditos para PMEs

São Paulo – A SulAmérica, maior seguradora independente do País, trouxe ao mercado quatro novos produtos voltados a pequenas e médias empresas. Pela primeira vez, óticas e casas de festas e buffets contam com seguro específico para suas atividades, e academias, perfumarias e lojas de cosméticos também ganham apólices customizadas.

As novidades ampliam o portfólio do SulAmérica Empresarial, que passa a contar com produtos personalizados para 15 tipos diferentes de PMEs, e consolidam a iniciativa bem-sucedida da seguradora para este ramo de atuação. A estratégia, baseada nas necessidades específicas de cada atividade, se caracteriza pela oferta de coberturas customizadas para os diferentes negócios que a seguradora aceita em seu produto Empresarial.

Pioneiro no mercado, o seguro para buffets e casas de festas cobre danos a mercadorias em ambiente frigorificado, danos causados a terceiros durante a realização de eventos e ainda despesas com salários de funcionários temporários. Também inédito no mercado, o produto para óticas prevê cobertura para roubo de conteúdo, inclusive relógios comercializados pela empresa, danos a funcionários (incluindo despesas médicas em caso de sinistro), cobertura de avarias durante pequenas obras e reparos e lucros cessantes em caso de paralisação do negócio.