CPFL Renováveis tem R$ 223 milhões de Ebitda, crescimento de 5,7%

São Paulo – A CPFL Energias Renováveis S.A. (CPRE3), maior geradora de energia com fontes renováveis do Brasil, encerrou o segundo trimestre de 2017 com Ebitda de R$ 223 milhões, crescimento de 5,7% em relação ao mesmo período de 2016. Já a receita líquida da companhia teve alta de 14,4% (R$ 412,1 milhões) ante o segundo trimestre de 2016. O resultado é decorrente da entrada em operação dos complexos eólicos Campo dos Ventos e São Benedito, que, juntos, respondem por 231 MW de capacidade, e Pedra Cheirosa, que acresceu mais 48,3 MW ao parque gerador da companhia e entrou em funcionamento quase um ano antes do previsto.

Com 23 aerogeradores, o Complexo Eólico Pedra Cheirosa, no Ceará, gera energia suficiente para abastecer uma cidade de 120 mil habitantes. “Pelo terceiro ano consecutivo, entregamos um projeto dentro do orçamento e antes do prazo – este com quase um ano de antecedência”, destaca o diretor-presidente da CPFL Renováveis, Gustavo Sousa. Assim, a companhia teve um crescimento de 14% da capacidade em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, totalizando 2,1 GW”.

A geração de energia nesse trimestre foi de 1.487,9 GWh, redução de 3% em relação ao total registrado no segundo trimestre de 2016. A diminuição deve-se à menor produção das PCHs, por conta da menor afluência no período, e das usinas de biomassa, impactadas pela diminuição da quantidade de bagaço disponível. Tais fatores foram parcialmente compensados pela entrada em operação dos novos ativos. “Temos um portfólio robusto e diversificado, tanto em fontes como em localização geográfica, estratégia que mitiga os efeitos das sazonalidades e fatores climáticos”, ressalta Sousa.

Outro fator que afetou a geração de energia foi a redução na disponibilidade dos parques eólicos no Ceará devido ao encerramento das atividades da Suzlon no Brasil. A CPFL Renováveis já está atuando para normalizar as operações.

Seguindo a estratégia de crescimento, no primeiro semestre de 2017 a CPFL Renováveis investiu R$ 395 milhões, principalmente, para a conclusão das obras do complexo eólico Pedra Cheirosa e na construção da PCH Boa Vista 2 (29,9 MW), em Varginha (MG), que teve as obras iniciadas em fevereiro. A companhia tem planos de investir R$ 559 milhões adicionais nos próximos cinco anos para a ampliar o seu parque gerador. “Ao longo dos últimos anos, mantivemos a situação de liquidez consistente e o perfil de endividamento adequado ao nosso negócio. Seguiremos, nos próximos meses, com a estratégia de crescimento focada na implementação da PCH Boa Vista 2”, conclui Sousa. Após o encerramento do segundo trimestre de 2017, foi realizada a liquidação financeira da sétima emissão de debêntures de infraestrutura.

Adicionalmente, a companhia participou do leilão de descontratação de energia nova do Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits (MCSD), por meio dos complexos eólicos Macacos e Atlântica e do Parque Eólico Morro dos Ventos II. Juntos, os três ativos descontrataram o montante de 91,2 MW médios pelo período de seis meses (de julho a dezembro de 2017). Tal medida irá gerar receita adicional para a companhia, uma vez que o preço do contrato firmado para a venda desse volume no mercado livre é superior ao preço do contrato firmado anteriormente com as distribuidoras no mercado regulado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s