Contrabando causa prejuízo de R$ 5 bilhões ao estado de São Paulo

São Paulo – O Movimento em Defesa do Mercado Legal Brasileiro, coalizão formada por cerca de 70 entidades representantes de setores afetados pela ilegalidade no Brasil, realizou uma reunião na manhã desta quinta-feira, 3 de agosto, para marcar o Dia Estadual de Combate ao Contrabando. A data, que em 2017 foi incluída no calendário oficial do estado por meio de um Projeto de Lei do deputado Jorge Caruso (PMDB), tem o objetivo de promover o debate de questões ligadas ao contrabando sobre diferentes óticas como a econômica, social, saúde e segurança.

Durante o evento, foi divulgado um levantamento sobre os impactos do contrabando para o estado. De acordo com Rodolpho Ramazzini, diretor da Associação Brasileira de Combate à Falsificação (ABCF) e membro do Movimento, entre janeiro e junho de 2017, esta atividade criminosa causou cerca de R$ 5 bilhões de prejuízo aos cofres do estado.

Os setores que fazem parte do levantamento são: cigarros (evasão de R$ 1,6 bilhão em 2017), autopeças (evasão de R$ 500 milhões em 2017), produtos eletroeletrônicos (evasão de R$ 400 milhões em 2017), confecções (evasão de R$ 250 milhões em 2017), bebidas (evasão de R$ 240 milhões em 2017), material elétrico (evasão de R$ 175 milhões em 2017), setor ótico (evasão de R$ 125 milhões em 2017), produtos de luxo (evasão de R$ 120 milhões em 2017), ferramentas (evasão de R$ 50 milhões em 2017) e outros setores (evasão de R$ 1,54 bilhão em 2017).

Cigarro

O setor campeão do contrabando em São Paulo é o de cigarros. Contrabandeados do Paraguai, eles foram responsáveis por uma evasão fiscal de R$ 1,6 bilhão no primeiro semestre de 2017. O estado é responsável pela venda de 33% de todos os cigarros contrabandeados comercializados no país, uma atividade controlada por quadrilhas de criminosos como o Primeiro Comando da Capital (PCC).

O mercado ilegal já representa 44% do total de cigarros vendidos no estado. Dezesseis marcas paraguaias são comercializadas em São Paulo, com destaque para a marca Eight, fabricada pela Tabesa S.A, de propriedade do presidente paraguaio Horácio cartes. O Eight é hoje o cigarro mais vendido em São Paulo, à frente de todas as marcas fabricadas legalmente no Brasil, com uma participação de mercado de 35,30%.

Para Edson Vismona, presidente do FNCP e do ETCO e coordenador do Movimento, “não é possível conceber que, no estado mais rico da federação, o cigarro mais vendido seja produto da ilegalidade. É preciso a união de forças entre poder público e sociedade civil para corrigir esse e outros desvios que prejudicam os paulistanos”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s