Ações que podem turbinar o setor de construção

Segundo o recente relatório da McKinsey Global Institute (MGI), intitulado Reinventando a Construção, o setor tem muito que avançar em produtividade. O crescimento global da produtividade da mão-de-obra no setor foi, em média, de apenas 1% ao ano nas duas últimas décadas. Os números são pequenos quando comparados ao incremento de 2,8% para a economia mundial e de 3,6% no setor industrial. A pesquisa do MGI apontou que, se a produtividade da construção acompanhasse o da economia total – e isso é possível – o valor acrescentado do setor aumentaria em cerca de US$ 1,6 trilhão, somando cerca de 2% para a economia global. Tal ganho é equivalente a cerca de metade das necessidades de infraestrutura anual do mundo. Veja abaixo as sete medidas que o MGI sugere para que esse cenário mude.

Reformar as regras e aumentar a transparência: Complexidades regulatórias dificultam a produtividade, segundo o MGI. Riscos não-técnicos, incluindo os políticos relacionados à regulação e à transparência, são freqüentemente citados como causas raiz dos resultados ruins, mais do que fatores técnicos. Tanto as agências governamentais como as empresas industriais podem garantir a existência de programas robustos de gerenciamento de riscos não-técnicos. Os governos, por sua vez, podem ajudar a reformular os ambientes regulatórios, simplificando os processos de permissão e aprovações, reduzindo a informalidade e a corrupção e incentivando a transparência nos custos e desempenho.

Reforçar o quadro contratual:Estudos de caso mostram que quando os interesses estão alinhados e direcionados a resultados bem definidos, os projetos são mais propensos a cumprir o cronograma e os objetivos de custo. Para alinhar os interesses, a indústria deve se afastar do ambiente de contratação hostil que caracteriza muitos projetos de construção para um sistema focado em colaboração e resolução de problemas. Por exemplo, a aquisição pode basear-se no melhor valor e no desempenho passado, em vez de no custo, e os contratos podem incorporar incentivos de desempenho e alinhamento. Para avançar em direção a melhores práticas, os modelos alternativos de contratação, como a entrega integrada de projetos (IPD), ajudam a construir relacionamentos colaborativos de longo prazo.

Repensar os processos de design e engenharia:Existe uma grande oportunidade para melhorar a produtividade ao institucionalizar a engenharia de valor no processo de design e pressionar por elementos de design repetitivos. Apenas 50% dos entrevistados da Pesquisa de Produtividade do MGI Construction disseram que suas empresas atualmente possuem uma biblioteca de design padrão. Nas classes de ativos, como as de petróleo de águas profundas e gás para o qual a padronização pode não ser a panaceia, a oportunidade de especificação de parâmetros – e não as especificações individuais da empresa – é significativa. Construir bibliotecas de projetos otimizados pode suportar esse empreendimento.

Melhorar a aquisição e o gerenciamento da cadeia de suprimentos:O setor de construção ocupa a menor gama de sofisticação no Inquérito Global de Excelência em Compras da McKinsey, sugerindo um amplo espaço de melhoria. Uma combinação das melhores práticas observadas em outras indústrias e abordagens inovadoras, habilitadas digitalmente, podem melhorar a confiabilidade e a previsibilidade. A digitalização das compras e os fluxos de trabalho da cadeia de fornecimento permitirão um gerenciamento de logística mais sofisticado e uma entrega just-in-time.

Melhorar a execução no local:Nas discussões encaminhadas pelo MGI,as partes interessadas apresentaram vários desafios com a execução no local, incluindo o uso inconsistente das melhores práticas em todos os sites, projetos e funcionários, bem como dificuldade em encontrar e desenvolver gerentes de projetos talentosos. Além disso, muitos lutaram para identificar e usar dados rígidos para o projeto de linha de base (e os gerentes de projeto), em vez de relatos sobre a dificuldade de um projeto. Para transformar verdadeiramente a execução no local, os proprietários devem implementar mudanças em todos os três aspectos de um projeto: sistemas de gerenciamento, sistemas técnicos e mentalidades.

Adotar tecnologia digital, novos materiais e automação avançada: A construção está atrasada significativamente a outros setores em seu uso de ferramentas digitais e precisa adotar novos materiais, métodos e tecnologia. Os avanços significativos que estão sendo implementados ou prototipados hoje podem transformar a eficácia e a eficiência da construção em três áreas: tecnologias digitais, materiais avançados e automação de construção. As tecnologias digitais – desde a modelagem de informações de construção até a análise avançada – se espalharam rapidamente. A pesquisa da MGI revelou que mais de 44% dos entrevistados adotaram algum tipo de tecnologia digital, e a adoção planejada nos próximos três anos deverá atingir 70%.

Treinar e capacitar a força de trabalho:A mudança não pode ser alcançada sem investimento na reaproveitamento de uma força de trabalho que está passando por grandes mudanças demográficas, desde gerentes amadurecidos até um número crescente de trabalhadores imigrantes. Os programas de aprendizado podem capacitar os trabalhadores da linha de frente nas principais habilidades que atualmente estão subdesenvolvidas, bem como em novas tecnologias para ajudar a quebrar a sazonalidade e a ciclicidade, melhorando assim a estabilidade da força de trabalho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s