Veja como ferramentas de software estão transformando a infraestrutura de países

O Estudo “Infrastructure 4.0”, da Software.org, uma organização de pesquisa internacional, independente e apartidária, traz exemplos sobre como China, Coreia do Sul e Espanha, entre outros países, estão modernizando sua infraestrutura de construção e transportes por meio do uso de softwares. “Existem ferramentas de software que projetam as estruturas de forma mais inteligente e com mais agilidade, reduzindo custos e gerenciando fluxos populacionais com mais precisão”, explica o country manager da BSA para o Brasil, Antonio Eduardo Mendes da Silva (Pitanga).

Conheça abaixo exemplos do uso do software no setor da infraestrutura no Reino Unido, EUA, Coreia do Sul, Espanha e China, listados pelo estudo BSA.

Reino Unido

O Reino Unido colocou os softwares BIM (Building Information Modeling) no coração de sua estratégia para expansão de infraestrutura. Todas as obras de infraestrutura promovidas pelo governo precisam usar a tecnologia. A previsão é de reduzir custos em 33%, tempo de obra em 50% e emissões também em 50%.

China

Os chineses usaram softwares para, em apenas três anos, colocarem em funcionamento uma rede totalmente automatizada de trens de alta velocidade com mais de 1300 quilômetros de trilhos e 24 estações.

Coreia do Sul

A Coreia do Sul está construindo o que ela chama de “Cidade do Futuro”. A infraestrutura de Songdo está repleta de softwares e sensores que monitoram e regulam a cidade de maneira integrada, desde temperatura até consumo de energia e tráfego.

Espanha

Após investir em fibra ótica e passar a oferecer acesso a banda larga de 100Mbps para sua população, a Espanha lançou um plano nacional para cidades inteligentes que usa softwares para agilizar serviços públicos e aumentar a qualidade de vida da população.

EUA

Em Nova York, o sistema de controle da rede de metrô foi atualizado com softwares que garantem gestão totalmente automatizada do tráfego. Graças ao novo sistema, novos trens puderam ser adicionados à rede e os passageiros passaram a esperar menos nas plataformas. A capacidade das linhas subiu em 20% e o consumo de energia caiu 15%.

Acesse o estudo BSA na íntegra por meio do link: https://we.tl/GHYX88vZLu

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s