Estaleiros da região Nordeste mantêm estabilidade de empregos até 2018

Enfrentando as adversidades da recessão econômica que atinge o país, a indústria naval brasileira começa a demonstrar seus primeiros sinais de recuperação. Dados do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (SINAVAL) mostram que o setor de construção deve manter a estabilidade em seu número de empregos até 2018.

Segundo a entidade, os principais responsáveis por esta perspectiva positiva, mesmo que ainda tímida, são os estaleiros do Nordeste, como o Estaleiro Atlântico Sul (EAS) e o Vard Promar, de Pernambuco, que manterão a construção de navios gaseiros e petroleiros até 2018, devendo provocar leve aumento na oferta de vagas de trabalho na região. Outro fator a impulsionar o otimismo foi a divulgação do Fundo da Marinha Mercante (FMM), de que daria prioridade de financiamento de mais de R$ 3 bilhões para a empresa South American Tanker Company Navegação S.A. (SATCO) para a construção de cinco novas embarcações.

Outros pólos do setor também devem manter a estabilidade no mercado de trabalho. Em Niterói (RJ), Guarujá (SP), Navegantes e Itajaí (SC), estaleiros especializados na construção de navios de apoio marítimo, plataformas de petróleo, rebocadores portuários e de reparos navais prosseguem em atividade regular, que deverá ser mantida até 2018.

Para o diretor do SINAVAL, Sérgio Bacci, os estaleiros do país, apesar das dificuldades que enfrentam, continuam tendo opções de demandas no mercado. “Há as demandas provenientes da Marinha, como a construção de navios patrulha, por exemplo. Também há o mercado de rebocadores, que pode ser melhor explorado”, afirma o executivo, que marcará presença na 14ª Marintec South America, o mais importante evento dedicado à indústria naval e offshore da América do Sul, para debater o futuro do setor com todos os players deste mercado. A Marintec 2017 será realizada de 15 a 17 de agosto, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro (RJ).

Bacci, que também é o presidente executivo da Associação Brasileira das Empresas de Construção Naval e Offshore (ABENAV), acrescenta. “Há ainda as encomendas da região Norte do país, como as barcaças de transporte de grãos, entre outros caminhos que podem ajudar a indústria naval a sair de vez desta crise”, completa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s