Corretores reclamam de seguro oferecido totalmente na internet pela Caixa

Corretores de seguros lotaram a Comissão de Finanças e Tributação, na última quinta-feira, 25, para assistir audiência pública que debateu a situação da Youse no mercado segurador. A Youse, subsidiária da Caixa Seguradora, foi lançada no mercado para permitir que seguros de carro, de vida e da casa pudessem ser adquiridos totalmente online, sem a intermediação de corretores de seguros. As chamadas Insurtechs (Insurance + Technology).

Os corretores reclamam que a empresa não é uma seguradora e que estaria vendendo a ideia de que o corretor não é necessário, pois o próprio consumidor seria capaz de personalizar e cotar o seu seguro.

Eles afirmam, no entanto, que, no início, a Youse nem divulgava que era da Caixa e que os planos são mais baratos porque oferecem poucas coberturas.

Plataforma digital

O diretor da Caixa Seguridade Participações S.A, Paulo Eduardo Cabral Furtado, afirmou, porém, que a Youse é apenas uma plataforma digital da empresa. “As grandes empresas estão indo para plataformas digitais, o e-commerce é uma realidade há muito tempo, e a área de serviços começa a se deslocar também para estas plataformas. Nós então tomamos a decisão estratégica de vender seguros na internet. Criamos a Arca Youse, que é uma plataforma de vendas da Caixa Seguradora.”

O deputado Lucas Vergílio (SD-GO), que presidiu a reunião, questionou o diretor da Caixa Seguradora e a Superintendência de Seguros Privados (Susep) sobre a situação jurídica da Youse “Se a Youse, para vocês, neste conceito, não é uma seguradora, por que então pedir um registro junto ao órgão regulador do mercado de seguros para constituir essa mesma entidade – pessoas, funcionários – como uma seguradora?”

O diretor de Organização da Susep, Marcelo Augusto Camacho, Marcelo Camacho, confirmou que a empresa pediu o registro de seguradora, mas disse que o processo ainda não foi concluído.

Marcelo Blay, CEO da Minuto Seguros, disse que vende seguros pela internet; mas que isso não pode ser completamente online. Segundo ele, é preciso disponibilizar funcionários para atender dúvidas, dar uma verdadeira aula para o consumidor para que ele entenda termos como sinistro e franquia.

Para a superintendente jurídica da Confederação Nacional das Seguradoras, Glauce Karine de Jesus Madureira, as plataformas digitais devem garantir ao consumidor o direito de ser atendido por um corretor; além de destacar as informações relevantes de cada produto. As informações são da Agência Câmara Notícias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s