Malware Hajime cresce na Internet das Coisas e já comprometeu 300 mil dispositivos

São Paulo – A Kaspersky Lab publicou os resultados de sua investigação sobre as atividades do Hajime – um misterioso malware em expansão que afeta a Internet das Coisas (IoT), criando uma enorme botnet peer-to-peer. A botnet está se ampliando muito, infectando vários dispositivos no mundo inteiro. Até o momento, a rede inclui quase 300 mil dispositivos comprometidos, prontos para trabalhar em conjunto executando as instruções do criador do malware sem conhecimento das vítimas. Porém, ainda não se conhece o objetivo real do Hajime.

O Hajime, que significa ‘início’ em japonês, apresentou seus primeiros sinais de atividade em outubro de 2016. Desde então, tem evoluído, desenvolvendo novas técnicas de propagação. O malware está estabelecendo uma enorme botnet peer-to-peer – um grupo descentralizado de computadores que realiza ataques DDoS ou de spam discretamente.

No entanto, ele não inclui um código ou uma funcionalidade de ataque, somente um módulo de propagação. O Hajime, uma família de malwares avançados e ocultos, usa diversas técnicas – principalmente ataques de força bruta sobre senhas de dispositivos – para infectar os dispositivos e executar vários procedimentos de modo a se esconder da vítima afetada. Assim, o dispositivo torna-se parte de uma botnet.

O Hajime não ataca um tipo de dispositivo exclusivo, mas qualquer dispositivo conectado à Internet. No entanto, os autores do malware focam suas atividades em alguns dispositivos. Ao que se constatou, a maioria dos alvos é formada por gravadores de vídeo digital, seguidos de webcams e roteadores.

Porém, de acordo com os pesquisadores da Kaspersky Lab, o Hajime evita determinadas redes, como as da General Electric, da Hewlett-Packard, do serviço postal dos EUA, do Departamento de Defesa dos EUA e várias redes privadas.

No momento da pesquisa, as infecções vinham principalmente do Vietnã (mais de 20%), de Taiwan (quase 13%) e do Brasil (cerca de 9%).

“A questão mais intrigante sobre o Hajime é sua finalidade. Embora a botnet esteja crescendo cada vez mais, ainda não sabemos qual é seu objetivo. Não conseguimos observar seus rastros em nenhum tipo de ataque ou outra atividade maliciosa. Contudo, recomendamos que os proprietários de dispositivos da IoT alterem suas senhas de maneira a dificultar ataques de força bruta e, se possível, atualizem seu firmware”, declarou Konstantin Zykov, Pesquisador Sênior em Segurança da Kaspersky Lab.

No total, durante o período da pesquisa, a Kaspersky Lab descobriu pelo menos 297.499 dispositivos exclusivos que compartilhavam a configuração do Hajime.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s