Recuperações judiciais caem no primeiro trimestre de 2017

São Paulo – No acumulado do ano (janeiro, fevereiro e março de 2017) o Brasil registrou queda de 21,3% no número de recuperações judiciais requeridas em relação ao primeiro trimestre de 2016: foram 322 contra 409 no mesmo período do ano passado. Os dados são do Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações.

As micro e pequenas empresas lideraram o ranking de solicitações de recuperação judicial, com 201 solicitações no primeiro trimestre de 2017 (no mesmo período de 2016 haviam sido 229 no segmento); as médias empresas foram responsáveis por 71 requisições (109 em 2016) e as grandes empresas por 50 pedidos entre janeiro e março/2017 (71 entre janeiro e março/2016).

Em março de 2017 houve queda de 20,9% nos pedidos de recuperações judiciais requeridas em relação a março de 2016. Foram 125 solicitações em março/2017 contra 158 em março do ano passado. Já em relação ao mês imediatamente anterior, fevereiro/2017, quando foram apuradas 115 solicitações, houve aumento de 8,7%.

A maioria das requisições de recuperação em março/2017 foi feita por micro e pequenas empresas (88), enquanto as médias empresas somaram 23 requerimentos e as grandes companhias, 14.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, a queda nos pedidos de recuperações judiciais neste primeiro trimestre de 2017 é explicada pela redução da inflação, dos juros e pelo processo, ainda que lento, de saída da recessão econômica. Tudo isto facilita a renegociação das dívidas por parte das empresas.

Falências

O indicador também apontou que, entre janeiro e março/2017 foram requeridos 394 pedidos de falências, número 0,8% superior ao apurado no mesmo período do ano anterior, quando ocorreram 391 solicitações. Do total de requerimentos de falência efetuados entre janeiro e março de 2017, 208 foram de micro e pequenas empresas (no mesmo período de 2016 haviam sido 192 no segmento); 79 foram de médias empresas (98 entre janeiro e março de 2016) e 107 pedidos de grandes empresas (101 para os meses correspondentes em 2016).

Em março de 2017, ocorreram 161 pedidos de falência requerida, aumento de 14,2% em relação a fevereiro/2017 (141) e de 1,9% em relação a março de 2016 (158). As micro e pequenas empresas foram responsáveis pelo maior número de pedidos de falência em março/2017: 81. Em seguida, as grandes, com 54 solicitações, e as médias, com 26.

Legenda:

Recuperação Requerida: Quando a empresa entra com o pedido de recuperação em juízo, acompanhado da documentação prevista em lei, e que será analisado pelo juiz. Neste momento, verificará se o pedido poderá ser aceito.

Recuperação Deferida: A documentação foi analisada pelo juiz e está correta e o pedido pode prosseguir para a próxima etapa, que será a apresentação do plano de recuperação, mas isso não significa que a recuperação será concedida.

Recuperação Concedida: Uma vez que passou por todos os passos e cumpridas às exigências de lei, foi acatado o pedido, quando a empresa permanecerá em recuperação judicial até que se cumpram todas as obrigações previstas no plano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s